III Concurso de Pontes de Papel das Escolas Públicas de Juiz de Fora

Na última semana, aconteceu o III Concurso de Pontes de Papel das Escolas Públicas de Juiz de Fora. Tradicionalmente, o projeto é organizado pelo PET Civil UFJF em parceria com o Centro de Ciências da Universidade Federal de Juiz de Fora e já obteve apoio e reconhecimento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) em suas duas últimas edições.

E a edição de 2016 foi especial por contar com duas novidades:

  1. Presença da ArcelorMittal: Nesta edição, trabalhamos, pela primeira vez, em conjunto com a ArcelorMittal, grande empresa referência na produção de aço no Brasil e no mundo. Essa parceria possibilitou a materialização de uma das diretrizes da empresa: o incentivo à educação científica;
  2. Participação do ensino fundamental: Em virtude da parceria da empresa com a Prefeitura Municipal e Secretaria Municipal de Educação de Juiz de Fora, responsáveis por escolas de ensino fundamental, os alunos do 9º ano foram os grandes protagonistas do evento.

As escolas participantes foram:

  • E. M. Cosette de Alencar, sendo representada por 2 equipes;
  • E. M. Presidente Tancredo Neves, com 4 equipes;
  • Colégio de Aplicação João XXIII, também com 4 equipes.

Segundo edital, poderiam ser enviadas até 4 (quatro) equipes por escola, com um máximo de 6 (seis) alunos integrando cada equipe.

panfleto

Cartaz de divulgação do Concurso.

 

PROGRAMAÇÃO

 

DIVULGAÇÃO NAS ESCOLAS: Na última semana de outubro, petianos e tutor do grupo PET Civil começaram a visitar as escolas, de sala em sala, para divulgar o concurso, no intuito de despertar a curiosidade de alunos do 9º ano sobre a construção de pontes de papel e animá-los a participar.

INSCRIÇÕES: as equipes tinham até o dia 11 de novembro para se inscreverem e se aventurarem nessa empreitada.

REUNIÃO DE LÍDERES: No dia 18 de novembro, no Centro de Ciências, foi realizada uma reunião entre integrantes do PET Civil e os líderes de cada equipe para melhor explicar o funcionamento do concurso e as tarefas a serem realizadas, além de breve explicação sobre alguns conceitos, como a aplicação da 3ª Lei de Newton e o esperado comportamento da ponte.

MONTAGEM DA PONTE: Nos dias 21 e 22 de novembro, também no Centro de Ciências, foi dada a largada para a construção das pontes. Os alunos tiveram 12 horas para tal atividade, de 13h às 19h em cada dia. Durante todo esse momento, foram auxiliados pelos integrantes do PET Civil e, em meio à árdua tarefa, fizeram algumas pausas e ainda tiveram lanches oferecidos pela ArcelorMittal, preparando-os para o segundo tempo.

montagem-tancredo-e-cosette

Alunos do Cosette de Alencar e Tancredo Neves dando início à construção das pontes.

Diferentemente da Olimpíada de Engenharia Civil, concurso realizado pelo PET Civil com estudantes de engenharia e arquitetura da UFJF, os alunos do 9º não realizaram seus próprios projetos das pontes. Cada equipe recebeu o projeto, em folha A1, desenvolvido pelo PET, com medidas e instruções.

gabarito-ponte-nas-escolas-2016

Projeto como “molde” da ponte a ser construída.

auxilio-na-montagem

Petiano Júlio dando instruções acerca da montagem.

A fim de estabelecer justas e iguais condições, todos construíram sua ponte sob o mesmo projeto com materiais fornecido pelos organizadores, apenas. Tais materiais formaram um kit contendo 2 folhas de papel cartão, lápis, borracha, réguas, tesouras, estiletes e colas-branca.

montagem2

RUPTURA DAS PONTES: Na manhã do dia 26 de novembro, sábado, o evento tem seu encerramento com a cerimônia de ruptura das pontes, realizado em anfiteatro do prédio Itamar Franco, na Faculdade de Engenharia da UFJF. Os participantes do 9º ano, pais, amigos e professores foram convidados a assistirem à etapa mais aguardada, em que poderiam saber o quão resistentes eram suas pontes.

 

O EVENTO

 

No evento de ruptura das pontes, também contamos com a presença do Elói, diretor do Centro de Ciências da UFJF, que nos ajudou em todas as edições; da Elaíne, representando a Secretaria Municipal de Educação de Juiz de Fora e do Ricardo Schmidt, gerente de Recursos Humanos da ArcelorMittal. Além disso, contamos com a presença do Tribuna de Minas, jornal da cidade e região, que acompanhou parte do evento.

presentes

Abertura do evento com direito a palavras do tutor Marconi, Ricardo Schmidt, Elói e Elaíne. (da direita para esquerda)

Na etapa final, todas as pontes foram submetidas a um teste de carregamento, de modo a verificar qual a carga máxima suportada pelas estruturas. Antes do rompimento, cada ponte foi pesada, sendo sua massa um dos critérios de desempate. A equipe vencedora seria aquela cuja ponte suportou maior carga.

De acordo com a ordem de entrega das pontes, cada equipe se apresentou, recebeu certificado de participação e, com muito nervosismo, torceram por suas pontes. Ao final do rompimento da ponte, aplausos. Expectativas foram superadas e emoção até o final: a ponte vencedora foi a última a ser rompida!

 

portico2

Pórtico preparado pelo PET Civil para ruptura das pontes.

EQUIPES VENCEDORAS

1º LUGAR: equipe “Unidos do XXIII”, do João XXIII (carga de ruptura: 7,910 kg)

Premiação: medalha de ouro, livro Manual do Mundo, um caderno e um kit com brindes da ArcelorMittal.

1

Parte da equipe UNIDOS DO XXIII.

2º LUGAR: “Pontes GIKSMY”, do Tancredo Neves (carga de ruptura: 7,392 kg)

Premiação: medalha de prata e um jogo de xadrez.

2

Alguns integrantes de PONTES GIKSMY.

 

3º LUGAR: equipe “Vamo Dali”, do Cosette de Alencar (carga de ruptura: 6,812 kg)

Premiação: medalha de bronze e caderno da ArcelorMittal.

3

Equipe VAMO DALI.

Durante o evento de ruptura, foram sorteados vários brindes da Arcelor, como chaveiros, canetas, camisas e também camisa da XII Olimpíada de Engenharia Civil.

premios

Prêmios para os três primeiros classificados.

 

FEEDBACK’S

 

  • Dos professores presentes:

“COMO UMA PONTE DE PAPEL AGUENTARIA TANTOS QUILOS?”, questionava Jerusa, professora do Cosette de Alencar que acompanhou seus alunos durante os dois dias de montagem e na ruptura. A princípio desacreditada, depois que viu o projeto da ponte, começou a acreditar nessa possibilidade. Jerusa achou o evento muito interessante e elogiou o empenho dos alunos participantes.

  • Dos pais:

“ELA ACREDITOU MUITO EM SI. ACHO QUE VALEU A PENA TODO O NERVOSISMO E PREOCUPAÇÃO.”, comentou Francisco, pai da ganhadora Juliana. Ele ficou entusiasmado com o evento e satisfeito por ter acompanhado sua filha. Por fim, agradeceu e completou: “É uma grande oportunidade para os alunos.”.

  • Dos alunos participantes:

A aluna Tatiane, do Tancredo Neves, que se mostrou interessada desde a divulgação nas escolas, vivenciou e superou os desafios propostos. No segundo dia, sua equipe se reorganizou, soube dividir bem as tarefas e conseguiu refazer toda sua ponte a tempo. Ela gostou muito e já está aguardando os próximos concursos.

“FOI BEM LEGAL A EXPERIÊNCIA DE FAZER ISSO. NA HORA, PENSEI QUE FOSSE MAIS FÁCIL.”, comentou Vanessa, integrante da equipe vencedora.

Segundo Juliana, outra integrante da equipe Unidos do XXIII: “Como eu gosto de matemática e quero fazer faculdade de arquitetura, me interessei muito. Na hora de fazer, tivemos nossas discussões, mas todos se ajudaram. Foi muito legal trabalhar em grupo.”.

Ambas concordaram que uma das partes mais difíceis foi colar cada barrinha. Essa dificuldade já era esperada em todos os grupos, uma vez que a atenção na montagem e as técnicas utilizadas são decisivas para uma ponte resistente. Para contornar essa situação, a equipe foi atenciosa, refizeram barrinhas que não ficaram boas e só montaram a ponte no segundo dia, esperando a cola secar.

primeiro-lugar

Equipe vencedora sendo premiada.

O PET Civil gostaria de agradecer a todos os envolvidos, em especial à ArcelorMittal, que possibilitou a realização e sucesso do nosso evento nessa primeira das muitas possíveis parcerias, e parabenizar todos os participantes do Concurso! Até o próximo!

todo-mundo-junto

Toda a galera que fez esse Concurso possível!

Para mais fotos da 3ª edição do Concurso de Pontes de Papel das Escolas, acesse: Álbum do Concurso

E ainda CONFIRA:

Reportagem do Tribuna de Minas: Concurso de pontes de papel reúne mais de 70 estudantes em JF

Site da ArcelorMittal: http://brasil.arcelormittal.com.br/

Site do Centro de Ciências da UFJF: http://www.ufjf.br/centrodeciencias/

Post sobre o I Concurso de Pontes das Escolas: aqui

Post sobre a XII Olimpíada de Engenharia Civil: aqui

 

 

Ponte de vidro na China bate 10 recordes mundiais

Citada no post mais recente do blog, a ponte de vidro chinesa foi construída a 300 metros acima do Grand Canyon de Zhangjiajie, na cidade de Hunan. Inaugurada em 20 de agosto de 2016, a ponte tem uma vista extraordinária de montanhas íngremes, geralmente cobertas com névoa, as quais inspiraram o diretor James Cameron na produção do filme “Avatar”.

foto-1

É a ponte de vidro mais alta e a mais longa do mundo, com 430 metros de extensão, sendo 375 metros de parte suspensa. Além disso, tem a maior plataforma do mundo para bungee jumping e o balanço mais longo da Ásia. Logo, esses são alguns dos 10 recordes mundiais já alcançados por essa incrível obra de engenharia.

foto 2.jpg

Ela foi projetada pelo arquiteto israelense Haim Dotan e sua construção, que demorou cinco meses a mais que o previsto para ser concluída, custou cerca de 10,9 bilhões de reais. Para Dotan, a ponte deveria ser a mais “invisível possível, para não obstruir a visão”.

foto 4.jpg

A ponte tem 6 metros de largura e é composta por 99 painéis com três camadas de vidro em cada um. Ademais, ela une os dois penhascos do Cânion, através de quatro vigas de aço e concreto (duas em cada extremidade) que permitem a sustentação da mesma.

foto 3.jpg

Entretanto, a segurança de uma obra de tal porte era motivo de dúvida para os futuros visitantes. Com isso, antes da inauguração, voluntários foram convidados a testar a resistência da ponte. Foi permitido que eles batessem, repetidas vezes, com um martelo em um dos vidros da estrutura.  O resultado foi a quebra de apenas uma das três camadas de vidro, sendo que as outras duas ficaram intactas. Após esse teste, um carro ainda circulou várias vezes sobre esse vidro rachado e não produziu nenhum outro dano.

foto-5

foto-6

A ponte é capaz de receber cerca de 800 visitantes simultaneamente e 8000 visitantes diariamente. Com isso, a China espera que Hunan aumente a atratividade turística para o parque natural de Zhangjiajie.

foto 7.jpg

Imagens Ponte da China Notícia