“The Antwerp Port House”: a nova sede do porto de Antuérpia

O porto de Antuérpia tem 12 km de cais e é o segundo maior porto de embarque da Europa. Tal empreendimento emprega, indiretamente, 150.000 servidores e, por isso, possui grandes metas de expansão para atender o crescimento e desenvolvimento do continente europeu.

ZHA_Port_House_HeleneBinet_01.jpg

No ano de 2007, após perceberem que os escritórios antigos do porto estavam se tornando pequenos, determinou-se a necessidade de uma realocação. Isso permitiria que tanto os serviços técnicos, quantos os administrativos fossem alojados em conjunto, garantindo que os 500 funcionários trabalhassem em um mesmo local. Para isso, foi realizado um concurso de arquitetura que propunha a construção de um porto com ambiente de trabalho sustentável, capaz de perdurar pelas futuras gerações de empregados e que o edifício original do terreno escolhido fosse preservado. Assim, a antiga estação de bombeiros que ali residia deveria ser integrada ao projeto.

ZHA_Port_House_Antwerp_∏Hufton_Crow_005.jpg

O escritório de arquitetura de Zaha Hadid, a primeira mulher a ganhar o prêmio Pritzker, foi o vencedor do concurso. O mais impressionante do projeto são as fachadas do edifício, já que não existe uma fachada principal. Por ser cercado por água, a superfície envidraçada e ondulada das fachadas são capazes de refletir as cores do céu da cidade de Antuérpia.

ZHA_Port_House_HeleneBinet_03.jpg

Como a proa de um navio, a nova extensão aponta para o rio Scheldt, conectando o edifício com o rio onde Antuérpia foi fundada.

As facetas triangulares, sendo algumas transparentes e outras opacas, são responsáveis por garantir luz solar suficiente para o ambiente de trabalho do porto. Além disso, a implantação desse novo volume cria uma percepção de um diamante que “flutua” acima da antiga estação, já que Antuérpia é conhecida como “a cidade dos diamantes”.

ZHA_Port_House_Antwerp_∏Hufton_Crow_002.jpg

A área de recepção do novo porto ficou alocada no pátio central da antiga estação, a qual foi fechada por um telhado de vidro. A partir dela é possível ter acesso à sala de leitura pública e à biblioteca. Os elevadores são panorâmicos e permitem o acesso à nova extensão do empreendimento, com uma vista panorâmica do porto e da cidade.

ZHA_Port_House_Antwerp_∏Hufton_Crow_011.jpg

O uso de estratégias eficazes durante cada fase da construção foi a vantagem que esse projeto teve frente à integração com o edifício histórico protegido, o qual deveria fazer parte do novo empreendimento que adotaria elevados padrões de design sustentável.

th_65d1300db123ce22f6e2569fb36764f8_exteriorshotwithmoontimfisher2016lowres36

Devido às referências ao rio Scheldt, a cidade de Antuérpia e a dinâmica do seu porto, juntamente com essa renovação de sucesso e a reutilização de uma estação de bombeiros abandonada, a nova sede do porto funcionará por meio desta expansão planejada ao longo das próximas gerações.

Palavras-chave: Porto, Zaha Hadid.

Casas de palafita: a alternativa das populações ribeirinhas

São construções que surgiram na Era Neolítica, ou seja, na Pré-História, de acordo com os restos dessas habitações encontrados nos sítios arqueológicos europeus. Sua maior aplicação ocorre em áreas alagadiças, como na região Amazônica, no Pantanal e na Ásia, em que as populações ribeirinhas devem se adaptar ao ciclo das águas (6 meses de seca e 6 meses de cheia de rios).

dafd15e34412438d1c72110d59874c6a

O material básico para a construção de palafitas é a madeira, visto que ela possui uma maior resistência a água. Contudo, ainda pode ser usada a palha e a taipa, sendo a última uma espécie de barro sobre uma armação feita de galhos e ripas. Assim, as casas são sustentadas por troncos ou pilares, evitando que a água adentre o interior da mesma.

P1000463.jpg

Caso a água invada as casas, os moradores fazem uso da maromba, que é uma espécie de piso elevado que permite que os mesmos continuem vivendo no local até que a enchente diminua.

148959-370x270-1.jpeg

É nítido a precariedade desse tipo de casa no Brasil por causa dos constantes riscos que os habitantes vivem, tanto com relação a integridade da construção, quanto aos acidentes proporcionados pela proximidade com a água e sua correnteza. Desse modo, a manutenção e troca das madeiras é primordial, especialmente se a água sob as casas for poluída. Entretanto, o tempo em que a manutenção deve ser feita varia conforme as características da região, do tamanho da palafita e da quantidade de chuva.

PZ09-00808.jpg

Palafita, Maromba, Casa de palafita e Imagens.

Ponte de vidro na China bate 10 recordes mundiais

Citada no post mais recente do blog, a ponte de vidro chinesa foi construída a 300 metros acima do Grand Canyon de Zhangjiajie, na cidade de Hunan. Inaugurada em 20 de agosto de 2016, a ponte tem uma vista extraordinária de montanhas íngremes, geralmente cobertas com névoa, as quais inspiraram o diretor James Cameron na produção do filme “Avatar”.

foto-1

É a ponte de vidro mais alta e a mais longa do mundo, com 430 metros de extensão, sendo 375 metros de parte suspensa. Além disso, tem a maior plataforma do mundo para bungee jumping e o balanço mais longo da Ásia. Logo, esses são alguns dos 10 recordes mundiais já alcançados por essa incrível obra de engenharia.

foto 2.jpg

Ela foi projetada pelo arquiteto israelense Haim Dotan e sua construção, que demorou cinco meses a mais que o previsto para ser concluída, custou cerca de 10,9 bilhões de reais. Para Dotan, a ponte deveria ser a mais “invisível possível, para não obstruir a visão”.

foto 4.jpg

A ponte tem 6 metros de largura e é composta por 99 painéis com três camadas de vidro em cada um. Ademais, ela une os dois penhascos do Cânion, através de quatro vigas de aço e concreto (duas em cada extremidade) que permitem a sustentação da mesma.

foto 3.jpg

Entretanto, a segurança de uma obra de tal porte era motivo de dúvida para os futuros visitantes. Com isso, antes da inauguração, voluntários foram convidados a testar a resistência da ponte. Foi permitido que eles batessem, repetidas vezes, com um martelo em um dos vidros da estrutura.  O resultado foi a quebra de apenas uma das três camadas de vidro, sendo que as outras duas ficaram intactas. Após esse teste, um carro ainda circulou várias vezes sobre esse vidro rachado e não produziu nenhum outro dano.

foto-5

foto-6

A ponte é capaz de receber cerca de 800 visitantes simultaneamente e 8000 visitantes diariamente. Com isso, a China espera que Hunan aumente a atratividade turística para o parque natural de Zhangjiajie.

foto 7.jpg

Imagens Ponte da China Notícia