Como funciona o trem sem trilhos de metal da China?

Com o principal objetivo de baratear os custos de transporte público para cidades de pequeno e médio porte, já que não necessita da instalação de trilhos que tem um investimento bastante alto, a empresa ferroviária CRRC desenvolveu um “ônibus inteligente”. Capaz de combinar a facilidade econômica do sistema de ônibus, a modularidade dos metrôs, a conveniência e segurança dos veículos que tem autonomia, esse novo trem sem trilhos de metal, além disso tudo, também não precisará de um condutor.

trem sem trilhos

A previsão é de que, em 2018, a cidade chinesa Zhuzhou, na província chinesa de Hunan, já faça uso desse modal público. A empresa responsável por esse projeto, a CRRC, começou a elaboração desse sistema desde 2013 e é, atualmente, a segunda maior empresa industrial do mundo. Ademais, ela controla a fabricação de trens de alta velocidade na China, onde também há a maior rede desse tipo de linha no mundo, com cerca de 14.000 quilômetros.

crrc

O trem sem trilhos ou ART (Trânsito Rápido de Trilhos Autônomos – Autonomous Rail Rapid Transit) é capaz de seguir um caminho previamente definido, através de pontos brancos no asfalto que são captados pelos sensores acoplados no veículo, fazendo com que ele trace sua própria rota e por isso o nome de “trilhos virtuais”. Além disso, o trem identifica o pavimento e tem sensores que transmitem informações da viagem, sem necessidade de um arranjo físico para o guiar.

Resultado de imagem para trem sem trilhos china

Ele tem 30 metros e é composto por três carros que podem transportar 300 passageiros por uma faixa de 6,5 quilômetros a uma velocidade máxima de 70 km/h, podendo adicionar, caso necessário, mais carros para permitir o maior transporte de passageiros. O sistema ainda é “eco-friendly” devido a seu funcionamento por eletricidade, através de baterias recarregáveis, e por gerar baixo impacto ambiental, pois não são poluentes. Com dez minutos de carga ele possui autonomia de 25 quilômetros, já com a carga completa é capaz de viajar uma distância de 40 quilômetros.

Por fim, a ART é uma ótima opção para pequenas e médias cidades que não possuem infraestrutura para a implantação de linhas de metrô, já que esse trem sem trilhos é 80% mais barato e ainda tem vida útil de 25 anos.

Trem virtual, China, imagens.

Anúncios

Mantas de Concreto

Uma empresa britânica durante a guerra do Afeganistão estudou alternativas para a construção de abrigos para suas tropas militares, nesse contexto surgiu a ideia da utilização de mantas de concreto para esse fim. As mantas são como um tecido flexível protegido com policloreto de polivinila ou PVC, coberto com concreto a seco quimicamente resistente, possibilitando uma moldagem fácil após a hidratação do material de acordo com a necessidade.1-e-9

O produto atualmente passou a ser utilizados em diversos países graças as suas qualidades como versatilidade, simplicidade, além de ser um ótimo isolante térmico, resistente ao fogo e ataques climáticos agressivos. A durabilidade do material é garantida pela suas fibras de polipropileno, evitando rachaduras e proporcionando uma vida útil de aproximadamente 50 anos.15-1

Outro ponto positivo é forma em que o material é comercializado, disponível em rolos pequenos ou grandes, que permitem facilidade no carregamento, transporte e uso. O produto pode ser comprado em diversas medidas de largura e comprimento, proporcionando flexibilidade de acordo com a necessidade do cliente, entretanto somente é vendido na cor natural do cimento, podendo ser pintado com tinta comum.

A instalação da manta é muito fácil, não exige tarefas de grande complexidade, escavações ou remoções de materiais, o que contribui na redução do desperdício e tempo demandado para a sua aplicação. Além disso, em relação a outros métodos construtivos tem se mostrado mais sustentável, por reduzir a quantidade de resíduos gerados e emissão de carbono na natureza.

O material vem sendo empregado com revestimento e impermeabilização em locais de difícil acesso com taludes, encostas de morros e até mesmo em erosões em praias. Pode ser usado para proteger paredes de minas, barreiras, gabiões, trincheiras e fossos. Outra aplicação é em estruturas de saneamento como sarjetas, diques, aquedutos ou até mesmo em locais em que escoem água contaminada com produtos químicos.

A manta de concreto pode ser posicionada em qualquer local, pois ele se adapta a forma do fundo no qual ele foi aplicado. Em seguida, deve ser umedecido com água para que endureça em torno de 24 horas e proceda-se com a cura do concreto nos próximos dois dias e a resistência chegue a 40Mpa. A junção entre as camadas pode ser feita com grampos, adesivos selantes, argamassa de concreto ou algum outro método mecânico viável.

Sendo assim, a tecnologia tem se mostrado bastante útil em obras e pode ser uma alternativa interessante para soluções de problemas de engenharia.

fonte: BDE

Olhares sobre a cidade – Catedral de Brasília

Como o leitor viu em nosso último post, o grupo PET Civil foi para Brasília no final de julho para participar do ENAPET. (Se ainda não viu, confira aqui!) Além de cumprir as atividades da programação do evento, conseguimos “turistar” pela capital do país.

Construções encantadoras não faltam nessa cidade… E como futuros engenheiros, sempre temos curiosidade para conhecer um pouco mais, não é mesmo? Hoje, iremos apresentar a Catedral Metropolitana de Brasília.

 

© Bruno Pinheiro

A imponente Catedral de Brasília.

 

Mais conhecida como a Catedral de Brasília, esse foi o primeiro monumento a ser levantado em virtude da construção da cidade. (E o primeiro que o PET Civil visitou, olha só?!) Oscar Niemeyer foi o arquiteto responsável por seu projeto e, como ele mesmo comentou numa entrevista, as obras de santuários permitem maior liberdade de concepção, sendo atraentes para o arquiteto e para o público.

E assim o fez. A estrutura conquista olhares curiosos de todo o canto e é vista de longe. Em números, a Catedral possui:

  • 40m de altura;
  • 70m de diâmetro;
  • 16 colunas de concreto armado em formato hiperboloide que pesam 90 toneladas;
  • 16 peças em fibras de vidro inseridas como triângulos de 10m de base e 30m de altura;
  • Capacidade para 4 mil pessoas;
  • Conjunto anexo com cerca de 10mil m² de construção.

 

O responsável pelo cálculo estrutural foi o engenheiro Joaquim Cardozo, assim como nas demais construções para o conjunto original de Brasília. Mas como se deu sua construção? Niemeyer simplifica: “Por exemplo, a Catedral de Brasília, quem olha e não conhece pensa que é muito complicado de fazer. Foi muito simples. Nós construímos as colunas no chão, pré-fabricadas, e suspendemos. Está pronta a Catedral!” Magnífico, não?!

E mais, em notícia publicada pelo Correio Braziliense, vemos que a “correção da curvatura foi feita a carvão, numa época muito distante dos cálculos computadorizados”. E em “boa parte do tempo, Magalhães [Carlos Magalhães, responsável técnico pela execução do traço de Oscar Niemeyer], ficou indo e vindo do Rio de Janeiro para acertar com o engenheiro Joaquim Cardozo os cálculos estruturais da obra.”.

 

Catedral-Metropolitana-de-Brasília-9

Brasília em construção: Catedral ganhando força e forma na nova capital do país.

img6-001

Brasília em construção: estrutura de concreto da Catedral.

Catedral-Brasilia-sem-vidros-1967-antes-8

Vergalhões aparentes para sustentação da cúpula de vidro da Catedral de Brasília por volta de 1967,
do filme “Brasília: contradições de uma cidade nova“,
do cineasta Joaquim Pedro de Andrade.

 

Visualmente, suas 16 colunas de concreto podem ser interpretadas como mãos unidas para uma oração, “numa composição e ritmo como de ascensão para o infinito”, como disse o próprio arquiteto. E embora possa soar estranho para este material, o concreto conferiu leveza e delicadeza para a Catedral ao permitir seus detalhes arqueados (a cor branca também contribui para essa sensação).

Niemeyer ainda completa, noutro momento, quanto à escolha de sua forma: “Para a Catedral de Brasília, procuramos encontrar uma solução compacta, que se apresentasse externamente – de qualquer ângulo – com a mesma pureza. Daí a forma circular adotada, que além de garantir essa característica, oferece à estrutura uma disposição geométrica, racional e construtiva.”.

 

vistazo-rionegro-estereotipos-latinoamerica-brasil2

À noite, outro espetáculo.

 

Outra parte surpreendente é o fato de que a Catedral encontra-se rebaixada em relação ao plano do terreno. Essa estrutura curva seria, então, apenas a casca ou cobertura da construção. Seu acesso se dá por uma rampa descendente e a beleza interna é incrível, com destaque para a composição concreto-vidro.

 

7090171487_74d58dcb82_z

Detalhe: Acesso à parte interna da Catedral através de rampa descendente.

 

São os vitrais que trazem a luz natural e adornam a Catedral com seus tons verdes e azulados em traços angelicais. O trabalho artístico foi idealizado pela artística plástica franco-brasileira Marianne Peretti na reforma feita na década de 1980. No projeto inicial, não havia vitrais coloridos, apenas duas camadas de vidros transparentes.

 

 

WhatsApp Image 2017-08-18 at 02.06.15

A beleza dos vitrais na parte interna da Catedral.

 

 

WhatsApp Image 2017-08-18 at 02.06.14

Olhe só! Detalhe no vidro identificando projetista, fabricação e restauração… datas e nomes que marcaram a história!

 

Interessante colocar que contextos históricos e políticos também interferem na continuidade de obras, que não ficam prontas “da noite pro dia”. E isso também foi válido para a Catedral, que passou por uma longa fase de construção: 12 anos ao todo. De 1956 a 1960, com JK na presidência e no início da construção de Brasília, apenas as estruturas de concreto ficaram expostas. Só mais tarde que a Catedral seria finalizada pela Igreja Católica, uma vez que os governos não assumiram sua continuação.

  1. Início da construção: 12 de setembro de 1958.
  2. Término e inauguração: 31 de maio de 1970.

A Catedral passou por uma segunda reforma em 2008 e está aberta à visitação diariamente. Além das características estruturais aqui apresentadas, vale a pena conhecer mais desse monumento, entendendo seu caráter religioso, as esculturas que compõem todo o seu conjunto e, assim, passeando por sua história na agitada Brasília. Sem dúvida, foi uma visita e tanto!

 

WhatsApp Image 2017-08-18 at 02.06.15 (2)

Vista panorâmica do conjunto.

WhatsApp Image 2017-08-18 at 02.07.49

PET Civil UFJF em visita à Catedral de Brasília!

 

 

Fontes: Site Oficial da Catedral; Entrevista com Niemeyer; Fundação Oscar Niemeyer; ArchDaily; A longa construção; Correio Braziliense; Nós no mundo360 meridianos.

 

 

A carreira acadêmica como alternativa do engenheiro civil

Muito se discute sobre os possíveis caminhos que o engenheiro pode seguir após se formar. Seguir a carreira acadêmica pode ser uma ótima escolha para os profissionais de Engenharia Civil.

Olhos nos estudos, para sempre. É disso o que o engenheiro que pretende seguir como professor universitário deve ter consciência, já que o diploma da graduação é apenas o primeiro passo de sua extensa preparação acadêmica – que durará pelo menos mais seis anos, nos programas de mestrado e doutorado. Além de vocação ao ensino, também é importante buscar a experiência profissional na área de sua especialidade. O profissional deve atuar sobre o tripé ensino (da graduação e pós-graduação), pesquisa e extensão universitária para conseguir transmitir uma vivência mais completa aos seus alunos, mesclando atividades de gestão como coordenações de cursos e chefias, com experiências práticas em laboratórios, visitas técnicas e participação em eventos.

Para muitos, o maior desafio de trabalhar na sala de aula – na área de engenharia – é a constante atualização que deve ser feita por parte dos docentes. A Engenharia Civil é muito dinâmica, por isso, para ensiná-la, é preciso conhecer as inovações tecnológicas e organizacionais que surgem  constantemente. Além disso, entender as possíveis mudanças nas funções do engenheiro no aspecto socioeconômico é fundamental, uma vez que a atualização constante visa a atender às próprias necessidades do setor produtivo, o que é essencial para que os novos profissionais estejam preparados para o mercado de trabalho.

No setor de Engenharia Civil, há uma série de áreas de especialização, sendo algumas delas novíssimas – como eficiência energética, sustentabilidade, geoprocessamento e tecnologia da informação. Das mais tradicionais, pode-se citar áreas de transportes, saneamento, meio ambiente, geotecnia, estruturas, materiais, tecnologia e gestão da construção. Muitas universidades destacam-se pela boa oferta de cursos de mestrados e doutorados na área de Engenharia Civil, como a Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Universidade Federal do Rio de Janeiro e a Universidade Federal do Ceará (setor de recursos hídricos). A Universidade Federal de Juiz de Fora aprovou seu programa de mestrado em Engenharia Civil (Mecânica das Estruturas e Materiais e Componentes de Construção como linhas de pesquisa) em 2017 e pode ser uma ótima opção para os engenheiros da cidade.

Quem pretender uma vaga de professor em universidade pública, no entanto, terá de se preparar para concursos públicos concorridos. Os editais exigem nível de mestrado ou doutorado, publicação de artigos científicos, orientação de pesquisas e tempo de magistério em outras instituições de ensino. Portanto, é interessante que o estudante que já tem em mente seguir uma vida acadêmica se prepare desde já para ter um currículo diferenciado no futuro.

Fonte: Fonte Atômica; Exame