A carreira acadêmica como alternativa do engenheiro civil

Muito se discute sobre os possíveis caminhos que o engenheiro pode seguir após se formar. Seguir a carreira acadêmica pode ser uma ótima escolha para os profissionais de Engenharia Civil.

Olhos nos estudos, para sempre. É disso o que o engenheiro que pretende seguir como professor universitário deve ter consciência, já que o diploma da graduação é apenas o primeiro passo de sua extensa preparação acadêmica – que durará pelo menos mais seis anos, nos programas de mestrado e doutorado. Além de vocação ao ensino, também é importante buscar a experiência profissional na área de sua especialidade. O profissional deve atuar sobre o tripé ensino (da graduação e pós-graduação), pesquisa e extensão universitária para conseguir transmitir uma vivência mais completa aos seus alunos, mesclando atividades de gestão como coordenações de cursos e chefias, com experiências práticas em laboratórios, visitas técnicas e participação em eventos.

Para muitos, o maior desafio de trabalhar na sala de aula – na área de engenharia – é a constante atualização que deve ser feita por parte dos docentes. A Engenharia Civil é muito dinâmica, por isso, para ensiná-la, é preciso conhecer as inovações tecnológicas e organizacionais que surgem  constantemente. Além disso, entender as possíveis mudanças nas funções do engenheiro no aspecto socioeconômico é fundamental, uma vez que a atualização constante visa a atender às próprias necessidades do setor produtivo, o que é essencial para que os novos profissionais estejam preparados para o mercado de trabalho.

No setor de Engenharia Civil, há uma série de áreas de especialização, sendo algumas delas novíssimas – como eficiência energética, sustentabilidade, geoprocessamento e tecnologia da informação. Das mais tradicionais, pode-se citar áreas de transportes, saneamento, meio ambiente, geotecnia, estruturas, materiais, tecnologia e gestão da construção. Muitas universidades destacam-se pela boa oferta de cursos de mestrados e doutorados na área de Engenharia Civil, como a Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Universidade Federal do Rio de Janeiro e a Universidade Federal do Ceará (setor de recursos hídricos). A Universidade Federal de Juiz de Fora aprovou seu programa de mestrado em Engenharia Civil (Mecânica das Estruturas e Materiais e Componentes de Construção como linhas de pesquisa) em 2017 e pode ser uma ótima opção para os engenheiros da cidade.

Quem pretender uma vaga de professor em universidade pública, no entanto, terá de se preparar para concursos públicos concorridos. Os editais exigem nível de mestrado ou doutorado, publicação de artigos científicos, orientação de pesquisas e tempo de magistério em outras instituições de ensino. Portanto, é interessante que o estudante que já tem em mente seguir uma vida acadêmica se prepare desde já para ter um currículo diferenciado no futuro.

Fonte: Fonte Atômica; Exame

Fique (des)ligado?! – Iniciativas para Eficiência Energética

Talvez o leitor pense que o tema de hoje esteja relacionado apenas à engenharia elétrica. Mas engana-se. Conhecimentos sobre matriz energética, geração de energia elétrica e práticas sustentáveis também fazem parte da formação de outros profissionais, inclusive o engenheiro civil. Mais do que isso, devem estar presentes no dia a dia de cada cidadão.

De acordo com o Ministério de Minas e Energia, fomentar ações de incentivo à eficiência energética é um dos desafios que vêm sendo enfrentados com bons resultados. Por isso, faz-se necessário conhecer algumas das iniciativas voltadas para essa área. Vamos apresentar, então, dois programas de importantes instituições que não podem passar despercebidos.

20170512095147850174a

 

PROINFA

Existe um programa de incentivo às fontes alternativas de energia elétrica. Sabia disso?

Exatamente! É o PROINFA: Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica. Um programa coordenado pelo Ministério de Minas e Energia (MME), com o objetivo principal de promover a diversificação da Matriz Energética Brasileira, buscando alternativas para aumentar a segurança no abastecimento de energia elétrica, além de permitir a valorização das características e potencialidades regionais e locais. E essa diversificação visa fomentar o uso de fontes renováveis de energia, como a eólica, a biomassa e pequenas centrais hidrelétricas (PCH).

 

matriz proinfa

Atividades da PROINFA por matriz energética para cada região do Brasil.

 

 

Suas ações já apresentaram grandes resultados. Em pouco mais de 3 anos, de apenas cerca de 22 MW de energia eólica instalada, aumentou-se para 414 MW. E, além disso, há previsão de instalação de 3.300 MW de capacidade, distribuídos em 1.100 MW de fontes eólicas, 1.100 MW de pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) e 1.100 MW de projetos de biomassa.

 

 

energia-eolica

Incentivo à energia eólica.

 

PROCEL

Também coordenado pelo MME, e executado pela Eletrobras, temos o Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica).  O programa foi instituído em 1985 para promover o uso eficiente da energia elétrica e combater o seu desperdício.

  • SELO PROCEL

      Você já deve ter visto este selo! Mas sabe o que é?

    Selo Procel Institucional (Sem ano)

    SELO PROCEL.

     “O Selo Procel de Economia de Energia, ou simplesmente Selo Procel, tem como finalidade ser uma ferramenta simples e eficaz que permite ao consumidor conhecer, entre os equipamentos e eletrodomésticos à disposição no mercado, os mais eficientes e que consomem menos energia.

    Para isso, são estabelecidos índices de consumo e desempenho para cada categoria de equipamento. Cada equipamento candidato ao Selo deve ser submetido a ensaios em laboratórios indicados pela Eletrobras. Apenas os produtos que atingem esses índices são contemplados com o Selo Procel.”

 

etiqueta-procel

Modelo de uma etiqueta PROCEL.

 

  • PROCEL EDIFICA – Eficiência Energética nas Edificações

Dentro desse programa, há um projeto muito interessante que promove o uso racional da energia elétrica em edificações desde sua fundação. Atendendo às demandas da construção civil, do Ministério das Cidades, das universidades e centros de pesquisa, o PROCEL EDIFICA possui ações cujos objetivos incluem incentivar a conservação e o uso eficiente dos recursos naturais (como água, luz, ventilação) nas edificações, reduzindo os desperdícios e os impactos sobre o meio ambiente.

 

images (1)

 

Esse subprograma entrou em vigor em novembro de 2010 com a etiquetagem de prédios residenciais, incentivando as construtoras a buscarem um uso mais racional da eletricidade e alertando os consumidores sobre as opções mais econômicas.

Segundo Maria Tereza Marques, chefe da Divisão de Eficiência Energética em Edificações da Eletrobras, nas novas edificações, com tecnologias mais eficientes elaboradas no projeto, a economia no consumo pode superar 50%. Em edificações adaptadas, ela chega a 30%.

O selo classifica os imóveis de A até E, num nível decrescente de eficiência. Cada edificação pode receber mais de uma etiqueta, com a avaliação do projeto, do edifício construído, de cada unidade e das áreas comuns. Para obter o selo, o proprietário do edifício deve procurar um organismo de inspeção creditado pelo Inmetro, que irá fazer a análise. O Ministério de Minas e Energia (MME) ressaltou o papel do selo “para motivar o mercado consumidor a adquirir e utilizar imóveis mais eficientes.”

 

procel edifica

 

Gostou? Para mais informações, acesse:

Matriz Energética

PROINFA

PROCEL

PROCEL EDIFICA

 

E fique sempre ligado nessas iniciativas!