Museu Mariano Procópio: Um Tesouro Despercebido

220px-marianoprocopio

Mariano Procópio Ferreira Lage

Tudo começou com Mariano Procópio Ferreira Lage, engenheiro e político, que em 1854 obteve a concessão para executar uma estrada que ligaria Petrópolis e Juiz de Fora. Com extensão de 144 km e com o objetivo de percorrer a zona da mata mineira, começou-se a construção da que viria ser a Estrada União Indústria que, por sua vez, foi considerada uma obra arrojada para época. Tinha como técnica o estudo elaborado por McAdam, que consistia no assentamento sucessivo de camadas de pedras de diferentes tamanhos compactadas por um rolo compressor. Tal pavimentação requeria bastante mão de obra, porém sua técnica, que ficou conhecida como macadame, possibilitava uma estrada forte e enxuta. Foi uma das primeiras estradas projetada nessa estrutura. Além desse processo de construção, a Estrada União Insdústria foi marcada por diversas fases de construções, mas deixaremos tal abordagem para uma outra oportunidade.

E nesse cenário, também foi inaugurada a Vila Ferreira Lage, que foi projetada e construída em níveis da arquitetura que marcaram as obras do século XIX. Futuramente, com a morte de Mariano, seus dois filhos herdaram a região. Seu filho mais novo, Alfredo Ferreira Lage, possuía grande aptidão para colecionar objetos dos mais diversos possíveis, como minerais, indumentárias reais e peças adquiridas em leilões. Desta forma, o aumento de sua coleção foi inevitável e seu acervo era o segundo maior do período imperial. Desde o momento, tudo se encaminhou para que, em 1922, se inaugurasse o Museu Mariano Procópio em homenagem ao centenário do seu pai já falecido. Sem filhos, Alfredo deixou em doação seu patrimônio para a cidade de Juiz de Fora, com a exigência de que tal área mantivesse o valor cultural agregado.

Atualmente, o museu possui mais de 50 mil peças e é cercado por um jardim rico tanto na flora quanto na fauna. Seu conjunto arquitetônico e paisagístico tem como exemplo, os canteiros localizados nos interiores dos lagos e as pontes curtas, que foram inspirados na composição francesa. Tal riqueza contribuiu para que, em 2015, fosse tombado, se tornando até mesmo local de estudos para alunos da UFJF, sendo estes não apenas da Arquitetura, como também das Artes em geral. Seu acervo é reconhecido também pelo IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, se tornando, portanto, um dos exemplares arquitetônicos e artísticos mais importante de Juiz de Fora.

Fato interessante, é que D. Pedro II ficou hospedado na casa da família por um tempo durante a inauguração da Estrada União Indústria, deixando em seu diário diversos relatos sobre a arquitetura e disposição dos elementos que compunham. Vejamos um exemplo:

dpii

“Li e quando ia clareando fui até o fundo do jardim por detrás do outeiro. O Paraibuna o limita por esse lado e o lago tem registro para o rio. Há no jardim uma fonte, cujas águas parecem sair dentre pedras, mas que vem para aí encanada por cima do outeiro, em cuja base se acha a fonte”.

De fato, toda a arquitetura e disposição local chamam atenção. Na intenção de preservar o ambiente, diversas obras de restauro foram realizadas desde a década de 1970, onde as antigas telhas planas de cerâmica foram trocadas por telhas de aço zincadas. A mais recente foi iniciada no ano de 2014 dividida em duas etapas que deram atenção para a restauração das fachadas, recuperação da pintura interna e a renovação dos forros e esquadrias. Por essa razão, o museu ficou fechado parcialmente.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Localizado na Rua Dom Pedro II – bairro Mariano Procópio, o museu além do seu potencial histórico e artístico que passa desapercebido por alguns, também cumpre seu papel social, sendo um ambiente de inúmeras atividades de recreação tanto para jovens quanto para idosos, que veem em suas instalações, oportunidade para desfrutar de caminhadas e atividades físicas com tranquilidade. Além, é claro, de poder estar diante da beleza do local!

reabertura_parque_15_jul_2008

Visão noturna do Jardim da MAPRO – Fundação Museu Mariano Procópio

 

Anúncios

Um pensamento sobre “Museu Mariano Procópio: Um Tesouro Despercebido

  1. Parabéns,filho vejo seu esforço na sede do aprender ,sempre querendo mais é isso aí só cresce na vida quem corre atras quem se interessa .vc vaí vencer não tenho duvidas.continue assim.TE AMO…..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s