Casa contêiner: uma inovação para a construção civil

Cada vez mais pessoas têm se preocupado com as questões ambientais. O simples fato de fechar a torneira ou apagar a luz, já mostra como o ser humano tem cuidado com o  futuro. Na construção civil, a ideia também tem se manifestado cada vez mais, como na instalação de telhados verdes, fontes naturais de energia e reaproveitamento de água. A ideia que chega aos poucos ao Brasil, mas que já é recorrente em países de Primeiro Mundo como Holanda, EUA, Austrália e Inglaterra, é o reaproveitamento de contêineres para morar.

Depois de uma década carregando mercadorias, o contêiner, composto por aço, alumínio ou fibra, já pode ser destinado a fins residenciais. Existe também a possibilidade de se comprar um novinho em folha, mas daí se perde o sentido da coisa, porque a ideia de sustentabilidade é a melhor parte.

São dois os principais modelos desse módulo: o Reefer e o Dry. O Reefer é custeado, em média, a 18 mil reais, devido ao seu potencial termoacústico, que antes servia de transporte para carga refrigerada.  O modelo Dry é um dos mais usados para tornar-se residência, também o mais em conta, custando em torno de 9 mil reais. Mas esse pede revestimento interno e pintura externa especial para controle térmico, mas nada como um bom estudo de conforto térmico que resolva este fator.

No mercado existe a tinta com micropartícula cerâmica que reflete até 70% mais os raios solares, como opção de ser aplicada nas paredes externas. Há também isolante termoacústico de lã de pet, que pode ser instalado entre a superfície externa e o acabamento interior, um material ecologicamente correto. Não adianta projetar um espaço que dependa do ar condicionado e achar que, só porque reaproveita contêineres, é sustentável, porque não é.

Por ser uma estrutura modular, a execução do projeto é bastante versátil em comparação à construção convencional. Uma casa contêiner de 100m² pode ficar pronta para ocupação entre 45 e 60 dias. Falando nisso, a quantidade de entulho e perdas geradas reduz em 30% se comparada ao mesmo, bem como o custo, que é um total de 25% dos gastos totais. Na hora da instalação, existe um respeito ao perfil topográfico, não são necessários os serviços de fundação ou terraplanagem, mas é preciso evitar que a estrutura fique em contato direto com o solo, para que a umidade proveniente do solo não danifique o contêiner.

As edificações são responsáveis por uma boa parcela de emissão de CO2 e consomem um volume bem grande de energia durante seu ciclo de vida, que abrange as etapas de produção, construção, operação e demolição. Portanto, a casa contêiner acaba contribuindo com aquele que deseja produtividade, novidade e sustentabilidade.

Santuário do Chopp: Choperia em contêiner em Paranaguá, cidade portuária no Paraná.

Mill Junction: Um edifício de 10 andares para estudantes em Joanesburgo, África do Sul, tão sustentável quanto possível, com bombas de calor para produção de água quente, iluminação energeticamente eficiente, janelas com vidros duplos, fora o fato de locar os contêineres no antigo silo de grãos, abandonado desde a década de 80. O projeto proporciona alojamento a preços acessíveis para aproximadamente 400 alunos. Um benefício econômico e social.

Casa contêiner em Brisbane, Austrália: Boa parte da fachada e forro possui o contêiner aparente bem como as tubulações em um cômodo da casa que não estão escondidas por revestimentos interno, atribuindo um caráter mais industrial e, ao mesmo tempo, sofisticado.

fonte: minhacasacontainer, atitudesustentavel, casaseprojetos e Revista Arquitetura&Construção.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s