10 Dicas para Escrever um TCC de Engenharia de 1ª Qualidade! – Parte 1

Olá! Há alguns meses defendi meu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e passei pela dificuldade de todos: para engenheiros, escrever não é uma atividade natural. Assim, para garantir um trabalho de qualidade, foquei, além do conteúdo, em sua redação. A seguir estão as 10 dicas mais importantes que posso transmitir com a minha experiência adquirida. Alguns exemplos são baseados em meu conhecimento de Engenharia Civil, mas as sugestões são úteis para qualquer Engenharia ou curso de Tecnológicas. Cabe mencionar que as sugestões também valem para qualquer escrita acadêmica, incluindo artigos, teses, trabalhos, entre outros. Bom proveito!

1 – Escreva de forma CLARA e COESA

Primeiramente, o objetivo de qualquer trabalho de cunho científico é transmitir informações relevantes, livre de ambiguidades, e sem enrolar o leitor. A linguagem acadêmica é formal, não erudita. Pessoas com tendência a rebuscar as frases podem pensar que estão escrevendo bonito, quando na realidade estão sendo confusas. Dica1 Coloque o sujeito e o verbo cedo na frase. Isso se chama “escrita ativa”. Observe as frases a seguir, qual você considera mais objetiva?

NÃO) Para que os resultados sejam alcançados e o progresso seja feito em relação a tomada de controle das situações ainda é crucialmente importante para os engenheiros que se sintam confiantes em suas próprias habilidades.

SIM) Engenheiros devem possuir confiança em suas habilidades de forma a tomar o controle de situações.

Dica2Veja:

NÃO) Uma frase, excessiva e talvez abertamente complexificada, túrgida de linguagem incomum, recebe o semblante de academicamente redigida; não obstante, ela pode, de fato, estar prejudicada em sua capacidade inerente  de comunicar  sua acepção àqueles que a percorrem.

SIM) Uma frase complexa pode parecer acadêmica, mas na realidade confundirá seus leitores.

Dica3Assegure-se que suas frases não estejam muito longas ou muito complexas.

NÃO) O aumento da produtividade do setor mineral, ocorrido, principalmente, em virtude da crescente demanda por ambientes construídos de melhor qualidade nos países em desenvolvimento, os BRICs, sendo estes Brasil, Rússia, Índia e China, tem contribuído para o aprimoramento das edificações, bem como na redução dos impactos ambientais, pois no intuito de atender as novas necessidades de desenvolvimento urbano, aliado a maior consciência ambiental da população, novos produtos e técnicas construtivas tem consequentemente resultado em um progressivo avanço dos setores mineral e construtivo em termos de gestão ambiental.

SIM) O crescimento da demanda por ambientes construídos de melhor qualidade nos países em desenvolvimento impulsiona o aumento da produtividade do setor mineral. Com o tema de sustentabilidade em foco por toda a sociedade, este aumento de produtividade tem ocorrido em concomitância com a redução dos impactos ambientais. Assim, novos produtos e técnicas construtivas tem resultado, consequentemente, em um progressivo avanço dos setores mineral e construtivo em termos de gestão ambiental.

Dica4

  • Escreva como se você pagasse 10 centavos por cada palavra.
    • Neste momento da atualidade -> Atualmente
    • Há 10 anos atrás -> Há 10 anos
    • Devido ao fato que -> Devido a
    • Nesta questão em particular -> Nesta questão
    • Destaca-se a importância de abordar-> Cabe mencionar

2 – Defina uma estrutura inteligente e siga-a.

Minha dica é: antes de começar a digitar qualquer coisa, compre uma cerveja, desligue seu celular e estruture todo o seu trabalho em uma folha A4. Defina onde cada informação deve constar. Mostre para o seu orientador, para garantir que seu planejamento está bom e aí sim arregace as mangas e comece a digitar furiosamente.

tcc1

Aqui vai um guia resumido de muitas fontes que já li, sobre o que deve constar em cada seção do seu texto. Note que nada é imutável, você deve adaptar as seções de acordo com os requerimentos do seu tema.

Introdução

Pode não parecer, mas essa é a parte mais crítica do seu trabalho. A Introdução é a primeira impressão que o leitor lerá. Aqui você deve deixar bem claro seu tema e seduzir o leitor – “vender seu peixe“. As questões principais são duas: “por que você decidiu trabalhar com esse assunto?”, e “qual a relevância dele atualmente?”. E já aviso, como uma leitora experiente de artigos, é comum que os avaliadores leiam sua Introdução e sua Conclusão antes de qualquer outra coisa. Por isso, capriche no português, na clareza e na coesão de sua redação, faça o preâmbulo do seu tema (as duas perguntas acima), e finalize a seção deixando bem claro qual o objetivo do seu trabalho. Bem claro mesmo: “O objetivo do presente trabalho é…”. Por sugestão da minha orientadora, eu ainda adicionei um resumo dos capítulos a seguir, para que o leitor saiba o que está por vir. Isso é bastante cômodo para quem está lendo e lembre-se: você quer deixar o leitor satisfeito.

Revisão Bibliográfica

É a parte em que você demonstra que domina o tema. Aqui devem entrar os fundamentos de todos os conceitos, equações, teorias e métodos utilizados. Em suma, tudo o que você leu que permitiu que você desenvolvesse seu tema e realizasse as análises que você fez. Para uma boa Revisão Bibliográfica, referencie corretamente, e referencie fontes de credibilidade acadêmica. Em outras palavras: use livros e artigos, e abandone o Google.

Metodologia

Essa seção deve conter todos os passos tomados para chegar aos resultados obtidos. Isso inclui todos os materiais, procedimentos e normas utilizados, bem como hipóteses assumidas e parâmetros adotados. O nível de detalhe de suas descrições varia conforme o tema e o orientador. Mas em teoria, você deve escrever de forma que qualquer pessoa possa seguir seus passos e obter os mesmos resultados.

Resultados

Exiba aqui os resultados obtidos através dos passos mencionados na Metodologia, de forma clara e organizada. Atenção: essa parte é meramente descritiva, e não deve conter análises profundas. As seções Análise dos Resultados e Conclusão servem para tal.

Análise dos Resultados (ou Discussão)

Essa seção é opcional, embora recomendada. Se você tem um volume muito grande de resultados, talvez seja interessante discutir sobre eles nesta seção em particular e resumir os principais pontos na Conclusão. Caso contrário, não é errado discutir seus resultados na Conclusão propriamente dita, antes de finalizar o trabalho. Ou uma terceira opção seria unir esta seção com os resultados, ficando “Resultados e Discussão”.

Conclusão

O grand finale do seu trabalho árduo. O principal ponto dessa seção é responder à pergunta: “meu objetivo foi alcançado? Sim/Não. Por que?”. Não se acanhe se o objetivo não foi alcançado ou tente mascarar esse fato. Muitas vezes estamos estudando a viabilidade de determinado material ou método e ele se prova inviável em determinadas condições. Não há nenhum desmerecimento nisso. Você provou que determinada coisa não funciona e graças a você, outras pessoas não tentarão o mesmo processo. Caso o objetivo tenha se realizado (ou não), realce isso, resuma seus resultados, exiba novamente as vantagens do seu estudo e a sua significância.  O seu suor foi derramado aqui, e não se canse de mostrar o quanto ele foi relevante para a sociedade.

Resumo

Ao contrário do que parece natural, o Resumo oficial deve ser a última parte a ser escrita, não a primeira. Ele deve ser o tão curto quanto possível (lembre-se: R$0,10 por cada palavra), e deve conter, de forma sucinta: relevância do estudo; metodologia; resultados e conclusão. O Resumo deve conter todos os pontos fundamentais do seu trabalho e deve ser lido rapidamente. Em uma busca na internet, ao ler o resumo o leitor deve se decidir se o seu trabalho é interessante para ele ou não. Os jornais mais famosos de Engenharia costumam limitar em 150 palavras. Assim, se você escreveu mais de 300 palavras, está errado.

Dicas Gerais:

  • Como muitas vezes o avaliador não lê seu texto inteiro de uma só vez, é interessante definir alguns conceitos ou siglas toda a vez que começar um capítulo. Mas tome cuidado para não ficar repetitivo.
  • Economize nas siglas (vamos falar mais sobre elas no próximo post).
  • Seja coerente:  se você deu certo nome ou sigla a certa amostra, utilize a mesma sigla até o final. Verifique se a numeração das figuras e tabelas não estão diferentes no texto e no título. Isso confunde profundamente o leitor.

3 – Faça seus gráficos compreensíveis e bonitos

Este é o gráfico mais errado possível: gráfico1 Feito automaticamente no Excel, com as cores e a fonte padrões, sem informação suficiente para seu entendimento. E veja o erro no eixo: por causa dos valores mínimo e máximo adotados, a diferença entre as séries é quase imperceptível – o gráfico mostra praticamente uma linha reta. Um gráfico correto é aquele que fornece todas as informações necessárias para que um leitor possa compreende-lo sem precisar ler o texto. Exatamente assim: a pessoa deve bater o olho no seu gráfico e entender imediatamente o resultado que você deseja mostrar. Por isso, sempre atente às legendas, ao título e aos valores dos eixos. Veja o gráfico com o conteúdo ajustado: grafico2

 Gráfico 1 – Valores de Resistência à Compressão médios obtidos para os corpos de prova da Série A, com aumento incremental de resíduo em substituição ao agregado natural.

Agora é possível observar a diferença relativa entre os valores obtidos para cada ensaio (não é mais uma reta) e a unidade de medida (sem decimais desnecessários). Em conjunto com a legenda, o leitor sabe do que se trata esse resultado. Em sequência, vamos transformar a aparência desse gráfico. Pode parecer desprezível, mas a aparência do seu TCC – a qualidade das imagens, dos gráficos, e a paginação – na realidade darão a impressão de um trabalho bem-feito e cuidadoso. Isso impactará positivamente na opinião dos seus avaliadores. Com poucos cliques, e “revirando” as ferramentas de personalização, é possível obter o seguinte gráfico: gráfico3A mesma informação, com aparência profissional. Algumas dicas na personalização dos gráficos:

  • Sempre mude a fonte. Gráficos na fonte padrão do Office, “calibri”, dão impressão de desleixo.
  • Sempre mude as cores. Mesma razão acima. Se você não tiver uma visão artística muito apurada para definir cores que combinam em gráficos com várias séries, altere o padrão de cores do Office com as cores pré-definidas, na guia “Design”.
  • Traduza imagens e gráficos de fontes estrangeiras. Copiar e colar e jogar a imagem lá como você a encontrou é um grande indicativo de desmazelo.
  • Cuidado com a legibilidade. Não use fontes pouco profissionais, como as que imitam escrita à mão. Use fontes e tamanhos que facilitem a leitura e a compreensão.
  • NADA de gráficos com fundo preto ou 3D do Office. Muito brega.
  • Simplifique: descarte itens desnecessários ao tipo de gráfico, como títulos, linhas de grade, marcadores, entre outros.

4 – Use Imagens relevantes

“Imagens relevantes”: figuras que ilustrem ou exemplifiquem o que está sendo escrito de forma a melhorar a compreensão. Faça o teste crítico: essa imagem é realmente necessária ao entendimento desse texto? Essa imagem está mostrando seu ponto-chave? Pronto. Na sua opinião, qual dessa imagens demonstra mais claramente o ensaio realizado?

labnao

Figura 1 – Ensaio de compressão realizado em corpo-de-prova 10x15cm com instrumentação para obtenção da deflexão lateral.

Dicas gerais:

  • Escolha figuras com qualidade decente. Imagens pixelizadas, muito pequenas ou muito grandes prejudicam a leitura.
  • Se for tirar fotos de atividades que você realizou, dê um leve trato nas imagens com um editor antes de adicioná-las de qualquer jeito. Ao menos ajuste o brilho, o contraste e as margens, para focar no ponto principal com clareza (ex. remova o teto e o chão da foto).
  • Escolha figuras referenciadas livros ou artigos científicos em detrimento da internet, por mais prático que seja o Google Imagens. Isso adiciona credibilidade ao seu trabalho.
  • Posicione a figura o mais próximo do texto que a está citando (mesmo que você tenha que pular uma página para isso).
  • SEMPRE mencione a imagem no texto. Ex. “O ensaio de Índice de Consistência de argamassas, ilustrado na Figura 12, tem por objetivo…”. Não é de bom tom deixar a imagem flutuando, sem nunca mencionar ela.
  • Use e abuse de diagramas de processos quando for explicar procedimentos ou ideias complexas. Você demonstra, assim, atenção à compreensão do leitor. Um bom site de mapas/gráficos é o LucidChart. Obs. Atente para a legibilidade do seu diagrama!

flowchart

5 – Não enrole!

Um trabalho de 45 páginas, conciso e bem redigido, será certamente melhor avaliado do que um trabalho de 120 páginas, sobre o mesmo conteúdo, cheio de floreios. Isso ocorre porque quando lemos um trabalho com muita coisa desnecessária (vulgo “encheção de linguiça”), automaticamente assumimos que o autor está mascarando resultados irrelevantes. Em suma: você não deve se preocupar com a quantidade de páginas do seu TCC. Preocupe-se em transmitir a mensagem de forma bem explicada, e sem redundâncias. Na dúvida, releia. E na dúvida, simplifique. Boa sorte!


Referências e Links úteis:

  • 10 Dicas para Escrever um TCC de Engenharia de 1ª Qualidade! – Parte 2 (em breve).
  • How to Write a Paper. Se você compreende inglês, esse é o melhor guia que já encontrei sobre escrita acadêmica. Vale o tempo, pois a qualidade dos seus trabalhos vai aumentar significativamente após a leitura.
  • Fundamentos de Escrita acadêmica. Apresentação traduzida pela autora, da Universidade de Brunel.
  • Para fazer sua apresentação no Power Point, veja: Minicurso de Apresentação do PET Civil
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s