P.I.T. – Pile Integrity Tester

O Testador de Integridade de Estacas (PIT, na sigla em inglês) é utilizado nos ensaios de integridade de baixa deformação, também conhecidos como Ensaios pelo Método Sônico ou “Pulse Echo”. O PIT pode ser usado em estacas tipo hélice contínua, estacas moldadas in loco, outras estacas pré moldadas, ou estacas de madeira. Em algumas situações o PIT pode ajudar na determinação do comprimento de estacas pré existentes, como e, estacas de pontes ou torres já construídas.

O ensaio consiste na avaliação do comportamento da velocidade quando a se aplica o impacto no topo da estaca com o pequeno martelo. Cada golpe gera uma onda de tensão que se propaga pelo fuste , sofre reflexão na ponta e retorna ao topo. Os sinais de vibração da onda são captados por um acelerômetro instalado no topo da estaca e convertidos em sinais elétricos. Estes sinais são amplificados e dirigidos a um centro de condicionamento e tratamento e posteriormente a um minicomputador que permite a visualização dos sinais velocidade.  Através desses sinais obtidos e as variações causadas na velocidade, pode-se analisar a integridade da estaca, e com relações de velocidade e tempo saber os locais onde se encontram os danos e os tipos de danos ocorridos na estaca.

Para a preparação do ensaio, é necessário eliminar todo o concreto de má qualidade porventura existente no topo. Em seguida, cria-se uma superfície plana e lisa com uma lixadeira. O topo da estaca deverá estar perfeitamente acessível e seco

Desbaste do concreto de estaca do tipo Hélice Contínua.

Desbaste do concreto de estaca do tipo Hélice Contínua.

Caso já tenha sido lançado o concreto da base do bloco (“magro”), a estaca terá que ser isolada dessa base, mediante a quebra de uma estreita região em volta da estaca. A água ao redor da estaca não é prejuicial ao ensaio, contanto que o topo da mesma esteja seco e que seja possível o acesso do operador. De maneira alguma pode ser usada argamassa ou qualquer outro material no topo da estaca, pois o acelerômetro e os golpes têm que ser aplicados em material idêntico ao do restante da estaca.

Exemplo de resultado obtido no ensaio PIT.

Exemplo de resultado obtido no ensaio PIT.

Vantagens do PIT:

  • Execução extremamente rápida. Estando as estacas preparadas, não é incomum fazer-se mais de 50 ensaios por dia.
  • É capaz de detectar danos na superfície do fuste.
  • Não exige preparo durante a execução da estaca. Assim, pode ser feito em qualquer estaca da obra.
  • Equipamento leve e portátil, exigindo um mínimo de recursos da obra durante os ensaios.Das poucas maneiras existentes para obter informações sobre a integridade das estacas, o PIT é sem dúvida a mais rápida e barata.

Desvantagens do PIT:

  • Pouca precisão na avaliação da intensidade do dano. Isso pode fazer com que sejam detectados danos que não comprometeriam a utilização da estaca, com conseqüente perda de tempo para a obra.
  • Dificuldade de detecção de segundo dano abaixo de uma grande variação de características do material da estaca.
  • Difícil interpretação dos sinais obtidos em alguns casos, inclusive por influência do atrito lateral (que também provoca reflexões da onda).
  • Impossibilidade de distinguir entre variação de área de seção e variação de qualidade do concreto (peso específico e/ou módulo de elasticidade).
  • Limitação de comprimento da estaca (30 vezes o diâmetro equivalente).
  • Dificuldade de detecção de dano muito próximo da ponta.

Fonte: Carmix, PDI Engenharia

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s