40 anos da Ponte Rio-Niterói

Marcada por uma série de percalços, mitos e atrasos foi inaugurada, em 1974, uma das maiores obras da engenharia brasileira, a ponte Rio-Niterói.

Ponte-Rio-Niterói-Rio-de-Janeiro

Fruto de  um projeto ousado para a engenharia da época,a obra, que começou a ser construída em dezembro de 1968, apresentou diversos desafios. Deveria assegurar 300 metros de canal navegável no vão central (canal principal) e mais dois secundários de 200 metros (largura) e apresentar 14 quilômetros de extensão sendo, com isso, a terceira maior ponte do mundo na época. Mas o grande desafio foi realmente concretar as fundações debaixo d’água, fato que, no estágio inicial da obra levou à um grave acidente envolvendo 8 pessoas.
O projeto de construção da ponte era muito bem visto pela maioria da população que antes contava apenas com o lento transporte da Balsa Cantareira para se deslocar entre Rio e Niterói. A ideia era ligar os dois pedaços da BR-101 (Rio Grande do Norte-Rio Grande do Sul) e consolidar o Plano Nacional de Rodovias. No entanto a espera foi grande, pois, planejada para ficar pronta em 1971, a ponte só foi ser inaugurada três anos depois, ainda no governo do general Emílio Garrastazu Médici.

Ligações anteriores à ponte

Ligações anteriores à ponte

Trajeto da BR-101

Trajeto da BR-101

Mesmo após 40 anos da sua inauguração, a Ponte Rio-Niterói possui números expressivos:

  • A maior ponte do Hemisfério Sul;
  • O maior vão em viga reta contínua do mundo: o vão central de 300 metros de comprimento e 72 metros de altura;
  • A mais importante estrutura protendida das Américas, com mais de 2.150 km de cabos no interior de sua estrutura;
  • Uma das maiores pontes do mundo em volume espacial (área construída), por conta de seu comprimento, largura e a altura dos pilares e das fundações submersas cravadas na rocha do fundo da Baía de Guanabara.

Quando inaugurada, era a terceira maior do mundo, atrás apenas da Ponte do Lago Pontchartrain, em Louisiana, com 38 quilômetros, na Costa Leste dos EUA, e a Chesapeacke Bay Bridge, na Virgínia (também nos EUA), com 29 quilômetros. Hoje, 40 anos depois, caiu para o 11º lugar no ranking internacional de extensão:

Print

Atualmente, as preocupações que envolvem a Rio-Niterói estão ligadas ao intenso fluxo de veículos que atravessam a ponte todos os dias, 150 mil veículos por dia, número muito maior do que o planejado como capacidade máxima há 40 anos atrás, 50 mil veículos por dia. Para um grupo, a melhor saída seria a construção de uma segunda ponte, paralela à Rio-Niterói. No entanto, para a concessionária CCR Ponte, a ligação Rio-Niterói não precisa de outra ponte. Para desatar o nó do trânsito, a saída é melhorar os acessos.

Para mais informações acesse aqui.

Fontes: O Globo- Ponte Rio Niterói, CCR Ponte

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s