Uma tecnologia chamada BubbleDeck

Por Lahis Assis

A tecnologia BubbleDeck consiste de um sistema de esferas plásticas inseridas entre duas telas metálicas, de maneira uniforme. Tais esferas, chamadas bubbles, são acomodadas entre as telas de forma a ocupar a região de concreto que não desempenha função estrutural e, com isso, torna-se possível reduzir em até 35% o peso próprio da laje se comparado ao método de execução tradicional.

b1

Vantagens:

O sistema BubbleDeck apresenta vantagens não somente econômicas, mas também nos âmbitos da produtividade e da sustentabilidade.

  • Redução do volume de concreto necessário e, com isso, do peso próprio da laje;
  • Aumento da produtividade;
  • Possibilidade de construção de vãos maiores, com menos vigas e paredes de apoio;
  • Possibilidade de maior liberdade na elaboração dos projetos;
  • Atenuação do nível de ruído entre os pavimentos;
  • Possibilidade de uma melhor logística de transporte de materiais, o que diminui os riscos operacionais e proporciona maior segurança;
  • O sistema apresenta “Selo Verde” por reduzir as quantidades de materiais utilizados bem como a emissão de CO2, além de utilizar plástico reciclável para substituir o concreto. A tecnologia se enquadra nos parâmetros estabelecidos pelo Tratado de Kyoto e pela 15ª Conferência de Copenhague.

Sustentabilidade:

O sistema atende às exigências do mercado e, ao mesmo tempo, causa menos impactos negativos ao meio ambiente se comparado às técnicas tradicionais. A tecnologia propõe um empreendimento sustentável que seja ecologicamente correto, economicamente viável e socialmente justo e culturalmente aceito.

Economia:

Comparado a outros sistemas, em cada m² executado com a tecnologia BubbleDeck, teremos:

  • Substituição de 60Kg de concreto por 1Kg de plástico reciclado;
  • Economia de 0,05m³ de madeira.

Alternativas do sistema BubbleDeck:

  • Módulos: as esferas são posicionadas em gaiolas metálicas formando módulos que são colocados sobre formas tradicionais de madeira. São inseridas armaduras adicionais e a concretagem é realizada em dois estágios. Ideal para pisos térreos e obras de reforma.

b3

 

  • Pré-lajes: uma camada de concreto de 6cm de espessura é colocada para fixar o módulo. Os elementos são posicionados sobre escoramentos provisórios e, então, as armaduras adicionais são colocadas e a segunda etapa da concretagem é realizada. Necessita de um guindaste para transportar os módulos.

b4

Por apresentar muitas vantagens, o sistema já foi utilizado em várias obras como o Novo Centro Administrativo do Distrito Federal e a Ampliação da sede da Construtora Noberto Odebrecht, no Brasil, além de outros empreendimentos na Dinamarca, Holanda e Reino Unido.

Veja também o vídeo:

Fontes: bubbledeck

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s