Retrofit, a nova tendência das reformas

Quando as construções já não atendem mais as necessidades e os usos para os quais são destinadas, encontra-se na reforma uma solução imediata para aprimorar a edificação e adequá-la às exigências do usuário. Mas, e quando não é possível simplesmente modificar? E quando é necessário manter características da arquitetura original? Foi para solucionar esses casos onde as obras em questão são patrimônio histórico ou que por algum motivo deseja-se preservar sua arquitetura, que surgiu o Retrofit.

O termo vem da junção das expressões latina “retro” que quer dizer “movimentar-se para trás” e inglesa “fit” cujo significado é “adaptação” ou “ajuste”. Assim, realizar Retrofit numa construção significa revitalizá-la, preservando aspectos originais e adaptando-a às exigências e padrões atuais.

É comum confundir “retrofit”, “reforma” e “restauração”, esses conceitos tem uma essência em comum, porém há diferenças substanciais entre eles. A restauração consiste na restituição do imóvel à sua condição original, a reforma por sua vez visa a realização de melhorias, sem compromisso com as características anteriores. Já no retrofit a intenção é conciliar ambos, renovação e manutenção, pois ao mesmo tempo em que se deve manter características originais da edificação é preciso modernizá-la.

Apesar de ter se popularizado há pouco tempo no Brasil, o processo já é empregado em larga escala em diversos países, principalmente europeus, onde há uma legislação bastante rígida em relação à preservação dos patrimônios arquitetônicos. Aqui, o processo também vem conquistando cada vez mais espaço, mas é preciso saber onde e como aplicá-lo.

Onde aplicar o Retrofit?

Qualquer tipo de edificação pode passar por um retrofit, existem até mesmo projetos que abrangem bairros inteiros. Contudo, é aconselhável que seja feito um estudo para verificar se é realmente viável empregá-lo, algumas vezes, esse processo pode ser bem mais caro do que uma reforma convencional ou mesmo do que construir uma nova edificação. Alguns casos onde aplicar o retrofit é uma boa alternativa são:

  • patrimônios históricos tombados
  • marcos importantes (sede de uma empresa por exemplo)
  • imóveis bem localizados
  • quando realizar o retrofit for mais rápido do que uma nova construção

O Estádio Maracanã é uma grande demonstração das amplas possibilidades de aplicação do retrofit. Ele e outros estádios que sediarão os jogos da Copa de 2014 passaram pelo processo para que suas estruturas fossem adaptadas para o evento. O projeto rendeu ao estádio uma das premiações mais importantes da arquitetura mundial, o Mipim AR Future Project Awards.

Vantagens e desvantagens

A principal vantagem do retrofit está na possibilidade de readequar edifícios antigos, podendo até conferir-lhes novos usos e aumentar sua vida útil. Os edifícios que passam pelo processo podem receber adaptações tecnológicas (elevadores, sistemas de aquecimento e refrigeração, novas redes elétricas, telefônicas) e também são adaptados de acordo com a legislação vigente (respeitando normas de acessibilidade, segurança contra incêndio, entre outras). Devido a todas essas melhorias os imóveis são extremamente valorizados após passarem pelo processo. Segundo especialistas do setor, o método de modernização de prédios antigos pode valorizá-los em até 50% em relação ao preço atual. Em cidades que sofrem com a escassez imobiliária como São Paulo, esta é uma alternativa para valorizar construções antigas que se situam em áreas nobres e modificá-las de acordo com o desejo dos consumidores.

O processo também é visto com bons olhos pelo lado da sustentabilidade, não só pela reciclagem e reutilização de materiais que ocorre durante as obras mas também porque possibilita a inserção de tecnologias sustentáveis.

Apesar das diversas vantagens citadas acima é preciso estar ciente de algumas características negativas, como a grande quantidade de imprevistos, isso ocorre pois geralmente as construções estão antigas e deterioradas, assim podem haver problemas e gastos inesperados. Outro problema deve-se às limitações físicas do espaço, que exige um estudo mais rigoroso em relação à entrega de materiais e à retirada de entulho assim como a necessidade de mão de obra mais qualificada.

Veja na reportagem abaixo um exemplo de retrofit realizado num prédio histórico do Rio de Janeiro, que transformou um lugar abandonado num moderno edifício comercial:

Fontes: Equipe de Obra, Eco cidades, Exame, Pires

Anúncios

4 pensamentos sobre “Retrofit, a nova tendência das reformas

  1. Pingback: Maior ponte fotovoltaica do mundo | PET Engenharia Civil - UFJF

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s