Diário de Bordo – Porto e suas incríveis pontes

Por Laila Saraiva

A cidade do Porto é muito famosa pelas suas pontes sobre o rio Douro que ligam o Porto a cidade Vila Nova de Gaia. O rio Douro e suas pontes atraem olhares de turistas e curiosos do mundo inteiro e é sobre elas o post de hoje.

Ponte das Barcas

A necessidade de haver uma travessia para a margem Sul do Douro, para circulação de pessoas e mercadorias do Porto, constituiu uma preocupação permanente ao longo dos séculos. Ao longo dos tempos houve várias “pontes das barcas” construídas para determinados propósitos, como a rápida deslocação de contingentes militares. No entanto, por regra a travessia do Douro fazia-se a barcos, jangadas, barcaças ou batelões.

A Ponte das Barcas, construída com objetivos mais duradouros, foi projetada por Carlos Amarante e inaugurada em 15 de Agosto de 1806. Era constituída por vinte barcas ligadas por cabos de aço e que podia abrir em duas partes para dar passagem ao tráfego fluvial.

Foi nessa ponte que se deu a tristemente célebre catástrofe da Ponte das Barcas, em que milhares de vítimas pereceram quando fugiam, através da ponte, das cargas de baioneta das tropas da segunda invasão francesa, comandada pelo marechal Soult, em 29 de Março de 1809. Mais de quatro mil pessoas morreram.

Reconstruída depois da tragédia, a Ponte das Barcas acabaria por ser substituída definitivamente pela Ponte Pênsil em 1843.

Ponte Pênsil

Ponte PênsilDepois da tragédia, a Ponte das Barcas foi reconstruída até à edificação da Ponte Pênsil – foi oficialmente chamada de D. Maria II, mas nunca assim referida.

Obra dos engenheiros Bigot e Mellet, a Ponte Pênsil foi iniciada em 1841 e inaugurada em 1843. Tinha 170 metros de comprimento, 8 de largura, elevava-se a uma altura de 10 metros do rio e estava assente em 4 obeliscos com 18 metros de altura.

A empreitada foi realizada em 2 anos pela casa Claranges Lucotte & C. Seria demolida em Outubro de 1887 e, em seu lugar, construída a montante uma nova ponte que eternizou o nome do rei que na altura estava no poder: D. Luís I.

Ponte Maria Pia

A ponte de grande beleza arquitetônica foi projetada pelo Engº Théophile Seyrig e edificada, entre 5 de Janeiro de 1876 e 4 de Novembro de 1877, pela empresa Eiffel Constructions Métalliques. Foi a primeira ponte ferroviária a unir as duas margens do rio Douro e recebeu esse nome em honra de Maria Pia de Sabóia.

A primeira grande obra de Gustavo Eiffel é constituída por um arco que suporta um tabuleiro ferroviário com 354 metros de extensão e está 61 metros acima do rio. Tendo em consideração as dimensões da largura do rio e das escarpas envolventes, foi o maior vão construído até essa data, aplicando-se métodos revolucionários para a época.

Começada em Janeiro de 1876, a Ponte Maria Pia foi inaugurada em Outubro de 1877. A sua conclusão permitiu a ligação ferroviária entre o Sul e o Norte, o que ajudou a crescente industrialização da cidade e a transformação, com a edificação da Estação de Campanhã, das freguesias de Campanhã e Bonfim, que se tornariam os motores da indústria no Porto.

Gustavo Eiffel publicou na “Revista de Obras Públicas e Minas” uma análise pormenorizada da construção, onde incluiu quer os projetos, quer o cálculo dos vários componentes da ponte. Adotando o mesmo modelo, realizou o Viaduto de Garabit com 165 metros de vão, a estrutura da Estátua da Liberdade e a Torre Eiffel.

Ponte Luís I

No ano de 1879, o Governo abriu concurso para a construção de uma ponte que iria substituir a Ponte Pênsil, a Ponte Luís I (vulgarmente conhecida por Ponte D. Luís).

Foi vencedora a firma belga Société de Willebroeck, com projeto do engenheiro Teófilo Seyrig, que já tinha sido chefe da equipe de projeto da Ponte Maria Pia.

A sua construção iniciou-se em 1881 e foi inaugurada em 1886. O arco mede 172 metros. O tabuleiro superior mede 392m e o inferior 174.

Ponte da Arrábida

Com o aumento do tráfego automóvel, a cidade viu-se na obrigação de se dotar de novas vias que respondessem às necessidades crescentes e ao aumento da população na margem sul do Douro. Por isso, não é de estranhar que em 1952 tenha sido adjudicada a construção de uma ponte na zona da Arrábida.

Com um vão de 270 metros, foi, durante algum tempo, a recordista mundial para pontes em arco de concreto armado. O tabuleiro eleva-se a 70 metros acima do nível das águas e tem 500 metros de extensão.

O autor do projeto foi o engenheiro Edgar Cardoso e a obra foi entregue ao engenheiro José Zagallo. A construção estendeu-se de Maio de 1957 até 22 de Junho de 1963, dia em que foi inaugurada pelo Presidente da República de então, almirante Américo Tomás.

Ponte de São João

Com o aumento do tráfego ferroviário, os poderes públicos viram-se na obrigação de substituir a vetusta Ponte Maria Pia, o que aconteceu nos anos 80 do século XX. Edgar Cardoso foi convidado a projetar esta nova ponte.

Ao contrário das outras pontes construídas até à data, a Ponte de São João não é em arco, mas em pórtico múltiplo contínuo, de pilares verticais, com três vãos, dois laterais, de 125 metros, e um central, com 250 metros de comprimento, apoiados em dois pilares no leito do rio. A estrutura principal, constituída pela ponte em si, junto com os viadutos de acesso, apresenta, no total, 1140 metros de comprimento. É constituída por uma só peça contínua, de grandes dimensões, construída em concreto armado e pré-esforçado, os viadutos de acesso foram ligados de forma monolítica à ponte em si, formando, assim, uma continuidade natural. Terminam em encontros de concreto armado, de grandes dimensões, em ambas as margens, apresentando 62 e 48 metros de comprimento, respectivamente, nas margens direita e esquerda.

A ponte principal apresenta uma super-estrutura formada por uma viga-caixão de seção trapezoidal, bicelular, com uma altura que varia desde os 4 metros, nos viadutos, até aos 14 metros, nas seções sobre os pilares do rio, com 7 metros a meio do vão central. Ambas as vias férreas assentam de forma direta na laje superior da viga-caixão, sendo a plataforma entre as linhas e as vigas nas bordas e no centro da ponte revestida de concreto poroso, que serve como mecanismo de travagem em caso de descarrilamento. As fundações os pilares apresentam características distintas, variando de acordo com as cotas e os diferentes tipos de terrenos aonde se encontram. Destacam-se as fundações dos dois pilares principais, nas quais, devido às excepcionais grandezas a sustentar, foram instaladas, em cada uma, 130 micro-estacas de concreto armado, formadas por 5 varões de aço A 500 NR com 50 milímetros de diâmetro e com 12 milímetros de extensão, que foram cravadas no fundo do rio, de natureza rochosa.

Ponte do Freixo

Das pontes que ligam o Porto a Vila Nova de Gaia, a Ponte do Freixo é a que está mais a montante do rio Douro. Projeto de autoria do Prof. António Reis, a Ponte do Freixo foi construída na tentativa de minimizar os congestionamentos ao trânsito automóvel vividos nas Pontes da Arrábida e de Dom Luís I, particularmente notórios desde finais da década de 1980.

Tratam-se, na verdade, de duas pontes construídas lado a lado e afastadas 10 cm uma da outra. A ponte tem oito vãos, sendo o principal de 150 m. É uma ponte rodoviária com oito vias de trânsito (quatro em cada sentido), mas com um tabuleiro a cotas muitos inferiores à de todas as restantes pontes que ligam o Porto a Gaia.

A Ponte do Freixo foi inaugurada em Setembro de 1995 pela então Junta Autónoma das Estradas.

Ponte do Infante D. Henrique

Batizada em honra do Infante D. Henrique, nascido no Porto, é a mais recente e, segundo muitos, a mais esbelta ponte que liga Porto e Gaia.

O engenheiro José Antonio Fernández Ordóñez da empresa espanhola IDEAM foi o responsável pelo projeto desta ponte, projetada pelos engenheiros António Adão da Fonseca e Francisco Millanes Mato. A ponte possui 371 metros de extensão e 20 metros de largura, com duas vias de rodagem em cada sentido. Tem um separador central com 1 m de largura e passeios laterais de 3 m com guarda de segurança e guarda corpos. A iluminação está colocada à cota baixa, permitindo uma perfeita iluminação da via, sem sombras.

Dotada de um arco em concreto armado de 280 metros, a nova travessia demorou 27 meses a ser construída e implicou um investimento de 14 milhões de euros.

A ponte é constituída por uma viga caixão com 4,5 m de altura apoiada num arco flexível com 1,50 m de espessura. Trata-se de uma ponte à cota alta com uma extensão de 371 m e 20 m de largura no tabuleiro. Apresenta uma solução de arco semelhante à adotada pelo engenheiro suíço Robert Maillart nas suas pontes alpinas, com uma flecha entre os fechos e o arranque do arco de 25 m para um vão de arco com 280 m (relação vão/flecha de 11,2), o que, como já vem sendo tradição nas pontes entre o Porto e Gaia, constituiu um recorde mundial nesta tipologia de pontes e serviu de referência a inúmeras pontes posteriormente construídas.

Despedida

Infelizmente esse é meu último post como correspondente internacional do PET Civil aqui em Portugal. Meu intercâmbio está chegando ao fim e já sinto saudades antecipadas dessa linda cidade que me acolheu. Levo comigo os ensinamento técnicos proporcionados pela excelente Universidade do Porto como também tudo que aprendi com as culturas de pessoas do mundo inteiro e com as amizades que aqui fiz. Tudo na época do intercâmbio é muito intenso, a saudade dói mais do que deveria como também se conhece coisas novas, uma rua por onde nunca se passou, uma nacionalidade com a qual nunca se teve nenhum contato, uma comida típica que você nem sonhava em experimentar, enfim, há uma novidade a cada dia. Enfim, o intercâmbio é tudo isso e mais um pouco! Não posso dizer que só há coisas boas, a adaptação é lenta, a saudade aperta bastante e o início é bem confuso. Mas se  me perguntar se eu faria tudo novamente a resposta é sim. O ensino que tive, as pessoas que eu conheci, os países que visitei, TUDO valeu muito a pena e recomendo essa experiência para todos que tenham interesse. Estou muito feliz por ter tido essa oportunidade, ainda mais em uma cidade tão linda e com pessoas tão maravilhosas ao meu redor. Posso dizer sem sombra de dúvidas que o saldo dessa experiência foi positiva! Muito obrigada aos leitores que me acompanharam aqui no blog durante minha trajetória. Fica aqui o meu até logo ao Porto, cidade que tanto me encanta!DSC00090

Fontes: Porto24;Blog “O Porto é uma nação”; Wikipédia: PortoPonte das BarcasPonte Pênsil, Ponte Maria Pia, Ponte Luís I, Ponte da Arrábida, Ponte de São João, Ponte do Freixo, Ponte do Infante D. Henrique.

 

Anúncios

2 pensamentos sobre “Diário de Bordo – Porto e suas incríveis pontes

  1. Maravilhas de arquitetura portuguesa, a cidade do porto conhecida mundialmente pelo seu vinho famoso no mundo todo, impressiona também com sua arquitetura tanto a contemporânea como a antiga que torna a paisagem exuberante! seu centro histórico é inclusive classificado como Patrimônio Mundial pela UNESCO.

  2. Como prof de História ,esse Diário é uma delicia para mim.Acrescenta e encanta o meu Saber.Parabéns!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s