A Iniciação Científica e o Programa de Educação Tutorial

quarta-universitaria11

A atividade de Iniciação Científica é uma ferramenta de inserção dos alunos de graduação na área de pesquisa. Diversos programas fomentam esta área nas universidades brasileiras buscando promover uma formação mais ampla aos alunos que dela participam. Dentro do Programa de Educação Tutorial a atividade de pesquisa também está presente, fazendo parte da tríade sobre a qual o programa se baseia: ensino, pesquisa e extensão.

DSC02243 O petiano egresso Leandro Mota Peres nos falou um pouco sobre a importância dessa atividade na sua formação e sobre os resultados da sua própria pesquisa.

1- Você já pensava em desenvolver alguma atividade de iniciação científica antes de entrar para o PET?

Não, antes éramos um pouco distantes destas atividades, não eram oferecidas muitas bolsas, principalmente para os períodos iniciais. Nós ficávamos um pouco perdidos durante o ciclo básico, então quando surgiu a oportunidade de fazer a seleção para o PET eu me interessei muito pela proposta do programa que era bastante motivadora. Foi então, a primeira vez que pensei em realizar a iniciação, até então, a única preocupação era a aprovação nas disciplinas.

2-Em quais aspectos o programa mais te auxiliou na sua carreira profissional?

Quando saímos da universidade e começamos a trabalhar, nos deparamos com diversas situações em que não temos as respostas de imediato, então, temos que pesquisar sobre o assunto e saber usá-lo corretamente. Com certeza o Programa contribui muito nesse aspecto, principalmente através das atividades de pesquisa.

3- A atividade de iniciação que você desenvolveu contribui para a sua formação acadêmica? De que forma?

Sem dúvida. Atualmente, a quantidade de conhecimento que temos que adquirir é muito grande e é difícil, em muitas disciplinas que cursamos, obter toda a informação necessária sobre aquele tema com o que é passado em sala de aula. A atividade de iniciação científica me motivou a buscar novos conhecimentos e  em diversas fontes.  Além disso, foi possível me preparar melhor para cursar o Mestrado.

4- De quem partiu a ideia do tema da iniciação?

Como eu fiz parte do primeiro grupo do PET, ainda não tinham sido desenvolvidas atividades deste tipo no Programa. Os tutores e bolsistas se reuniram e foram propostos diversos temas.  Achei muito interessante a área de Processamento Digital de Imagens (PDI), por isso segui essa linha.

5- No início você já tinha ideia do rumo que a pesquisa seguiria? A que você atribui os bons resultados que vocês obtiveram?

No primeiro momento o interesse principal era aprender sobre programação. Como o campo de estudo e aplicação de PDI é bastante amplo, novas idéias de projetos foram surgindo com o tempo. Os três anos que passei trabalhando no mesmo tema contribuíram muito para o desenvolvimento do projeto.

Aplicação de processamento digital de imagens a problemas de Engenharia Civil

Este é o tema da atividade de Iniciação Científica desenvolvida por Leandro juntamente com a colaboração dos professores: Flávio Barbosa, do departamento de Modelagem Aplicada e Computacional, Pedro Kopschitz, do departamento de Construção Civil e Fernando Nogueira, do curso de Engenharia de Produção da Universidade Federal de Juiz de Fora. Apesar do título extenso, o objetivo da pesquisa é bastante simples, solucionar ou facilitar alguns problemas pertinentes à área de engenharia por meio da aplicação do Processamento Digital de Imagens (PDI).

O primeiro trabalho consistiu na implementação de algoritmos para o processamento de imagens digitais. Esses algoritmos foram aplicados no desenvolvimento de um processo semi-automático para auxiliar a modelagem computacional de sistemas que podem ser descritos por meio da discretização em malhas de elementos finitos.

Em outro trabalho, aplicou-se o PDI para a classificação granulométrica de agregados graúdos (pode-se entender agregado como um termo genérico para areias, pedregulhos e rochas minerais). Os agregados foram fotografados e as imagens foram tratadas para que se tornassem mais nítidas. A partir dessas imagens, por meio de diversos processos tornou-se possível determinar curvas granulométricas que se mostraram bastantes próximas às obtidas através dos processos tradicionais de peneiramento.

corpo de prova

Através destes trabalhos e de sugestões dos professores que colaboravam com as pesquisas, surgiu a ideia da criação de um produto que acabou sendo patenteado. O produto desenvolvido consiste em um dispositivo que, ao ser acoplado às correias transportadoras por onde passarão os agregados e minérios, permite avaliar a granulometria de toda a produção em tempo real. Este processo é importante não só na construção civil mas também nas mineradoras, pedreiras e siderúrgicas.

processo

Esquema de funcionamento

O equipamento possui uma câmera que através de sistema sem fio envia a foto dos agregados capturada para um computador que munido do programa de processamento e análise da imagem extrai as informações presentes na mesma e apresenta a curva granulométrica do agregado passante na esteira naquele momento. Permitindo assim verificar se o material está dentro dos padrões exigidos.

No mês de agosto deste ano o produto recebeu a patente concedida por meio do Programa de Incentivo à Inovação (PII).

Veja o trabalho completo em:

Aplicação do Processamento Digital de Imagens a Problemas de Engenharia Civil

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s