Quarta Universitária – Concursos


A maioria dos brasileiros sonha em ter um emprego fixo e ficar bem longe da ameaça de demissão. A busca por estabilidade no emprego, bons salários e a possibilidade de crescimento na carreira são os principais fatores que atraem, todos os anos, cerca de 5 milhões de pessoas que se inscrevem em concursos públicos em todo o país.

O concurso é um dos cinco tipos de licitação. Aberto a qualquer interessado, o objetivo dessa licitação é a escolha de trabalho técnico, científico ou artístico mediante a instituição de prêmios ou remuneração aos vencedores. Há uma verdadeira indústria funcionando em torno deles. Desde as empresas que organizam os certames (nome oficial das provas), passando pelos cursinhos e professores que preparam os alunos, editoras que publicam material de estudo, jornais e sites especializados. Há, inclusive, empresas que organizam viagens para levar candidatos para as provas em cidades distantes. Um mercado que movimenta R$ 1 bilhão por ano, entre taxas de inscrições, que vão de R$ 20 a R$ 150, e bancas examinadoras. Os cursos preparatórios e as editoras que publicam apostilas faturam cerca de R$ 150 milhões ao ano.

Os salários iniciais variam de acordo com o nível de escolaridade dos candidatos. Para cargos de nível médio como técnico judiciário, escriturário e oficial de justiça, o salário inicial gira em torno de R$ 2 mil. Para os de nível superior (analista judiciário, auditor fiscal da receita federal, agente da polícia federal, etc.), o valor para o início do trabalho chega a R$ 7 mil. 

Etapas dos concursos públicos

O início se dá pela autorização do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, no caso de concursos federais ou, no caso dos governos estaduais e municipais, pelos órgãos competentes. Nesse momento, o órgão solicitador escolhe a banca examinadora. A etapa seguinte é a publicação do edital, nos respectivos diários oficiais, e a realização das provas.

Após o exame e a divulgação do gabarito, sempre há um prazo para recursos e reclamações a serem analisados pela banca que elaborou a avaliação. Esses recursos podem ou não ser acatados. A lista de aprovados e regras para convocação e de entrega de documentação são publicados em seguida.

Dentro do prazo de validade do concurso é possível a realização de outro, expandido o número de vagas inicialmente previstas, porém, isso não é regra, fica a critério da banca e do órgão a realização de novo certame.

O programa das provas de conhecimentos gerais abrange tópicos relevantes e atuais de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável, segurança e ecologia, suas inter-relações e suas vinculações históricas. Estar atualizado é primordial para se preparar para as provas, cabe ao candidato desenvolver o hábito da leitura cotidiana de jornais, revistas, e acompanhar o conteúdo de rádios, TV e internet.

Matérias básicas dos principais concursos para Ensino superior: Gramática, interpretação de textos, matemática, raciocínio lógico, estatística, informática, direito constitucional, contabilidade geral, economia e direito administrativo. Nas provas de conhecimentos específicos, as disciplinas são cobradas, de acordo com o cargo pretendido pelo candidato.

A prova de aptidão se constituirá de exercícios específicos para cada cargo, destinados a avaliação do desempenho e a suficiência para exercer as atividades da função.

A análise de títulos visa selecionar candidatos melhor preparados do ponto de vista da sua formação profissional. O edital informa o que é título e atribui pontos a ele. São exemplos de títulos: MBA, Mestrado, Doutorado, aprovação em concurso público, publicação de livros ou artigos, experiência profissional etc.

Foi aprovado? Isto não quer dizer que você conseguiu o emprego. A demora ou até mesmo a não convocação de candidatos aprovados, que ficam no chamado cadastro de reserva, é mais comum do que se imagina. A administração pública abre edital com previsão de vagas, dentro do orçamento atual, mas o concurso demora muito até ser homologado. Muitas vezes os recursos financeiros para contratação não estão mais disponíveis e tem que esperar a autorização da Câmara ou da Assembléia para abrir o orçamento.

Prepare-se 

Saber como se preparar é um dos grandes segredos para a aprovação em um concurso público. Avalie os seus conhecimentos, sua capacidade de compreensão das matérias, só assim poderá encontrar a melhor maneira de estudar: em casa ou em curso preparatório.

Estudar em casa tem suas vantagens e desvantagens. Talvez a maior vantagem seja a economia, sem contar a comodidade. Mas, é preciso ter cuidado com a qualidade do material didático escolhido, deve estar bem atualizado. O melhor é comprar apostilas específicas para o concurso que se vai prestar. Assim, não se corre o risco de estudar o que não interessa. Elas são elaboradas com base no último edital (atualizadas), têm toda a matéria e legislação exigida, exercícios, provas anteriores e gabarito comentado.

Outras dicas para quem for estudar em casa:

  • Consiga um lugar bem tranqüilo, o ambiente deve ser bem iluminado, arejado e silencioso, com mobília adequada (mesa e cadeira);
  • Organize seu material, separando-o por assuntos ou matérias;
  • Inicie por assuntos que você tem maior afinidade ou facilidade de assimilação;
  • Procure sempre manter um ritmo de estudo e faça resumos;

Se optar por fazer um curso preparatório, escolha uma escola reconhecida no meio, dê preferência por uma instituição que ofereça cursos regulares e não somente durante o período dos concursos. Os cursinhos oferecem dois tipos de curso: por “pacote” e por matéria. No primeiro, você se matricula para aprender todas as disciplinas da prova em um curto espaço de tempo. Bastante útil para as pessoas que nunca tiveram vivência com as disciplinas da prova, elas poderão conhecer todas as atualizações que poderiam passar despercebidas em um estudo individual.

Nos cursinhos por matéria, que têm uma carga horária um pouco maior, existe a oportunidade de se aprofundar. Ideal para quem já conhece bem a maioria das disciplinas exigidas e quer se atualizar. Há a possibilidade de optar por cursar uma, duas ou quantas disciplinas quiser. Assim, dá para escolher cursar apenas as matérias com mais importância (peso) para o concurso ou as que a pessoa tem mais dificuldade. Sai mais em conta, se o número de matérias for pequeno. Caso contrário, o melhor é optar pelo pacote completo.

Em cursinhos, plantão de dúvidas, atendimento e biblioteca são essenciais. No mais, programar as horas de estudo por dia, estabelecer horários e cumpri-los é fundamental para quem busca a aprovação em concursos públicos, mesmo se você está freqüentando o cursinho.


1. Acredite! Não tem como se dedicar e manter motivado até o final se você achar que não vai conseguir. Eu costumava pensar: alguém sempre vai passar!

2. Desencane da concorrência! Imagine que você está suuuper empolgado, saiu o edital, já começou a ir atrás do material e de repente divulgam a relação: 600 candidatos/vaga (ou 100, ou 20, que seja). Não desanime, o que está ao seu alcance para estar à frente deles é VOCÊ se preparar – e a situação deles, coletivamente, não é diferente.

3. Não economize mais do que o necessário. Pense em material de estudo como investimento. Não se endivide, mas também não seja mesquinho. Vale bem mais a pena comprar um livro bom e caro do que comprar outro desatualizado ou que não serve pra nada. E não são só os livros: assine sites especializados.

4. Peça ajuda a quem sabe. Leve o edital para um conhecido da área indicar a bibliografia.

5. Foco no conteúdo! O tempo muitas vezes é escasso. Se o assunto for interessante, a tentação de divagar fica grande. A dica é ficar sempre com o conteúdo programático em mãos e ir grifando com um marca-texto os assuntos já estudados.

6. Não se deixe desanimar pelos outros. Tem gente que vai insistir pra você sair bem naquele dia que o estudo está rendendo, outros vão dizer que concurso é uma questão de cartas marcadas. Enfim, tem coisas que é melhor deixar entrar por um ouvido e sair pelo outro.

7. Lazer e equilíbrio. Claro que você vai abrir mão de algumas coisas, mas se ficar trancado em casa não vai se manter motivado por muito tempo. Tem que ser encontrado o equilíbrio.

8. Respeite-se! Há dias que não adianta, a matéria não entra de jeito nenhum: dê um tempo, caminhe, tome um banho, cozinhe, tome uma cerveja, converse no MSN. Se não tiver jeito, tire o dia de folga e recomece amanhã. Só não pode virar hábito.

9. Plano B. Chegou um momento em que está saturado, distraindo-se o tempo todo com TV, Internet, comida… Só motivação pura não basta. Mude o local de estudo e fuja das tentações: vá estudar na biblioteca da faculdade!

10. Exercícios, exercícios! O mais megaimportante: EXERCÍCIOS, MUITOS EXERCÍCIOS, EXERCÍCIOS EXCESSIVOS. Não importa se você estuda lendo, fazendo tabela, resumo, desenho, organograma, o importante é resolver muitos exercícios mesmo. Resolver, e não ficar lendo a pergunta e a resposta certa. É cansativo, mas fazendo isso você passa a entender o raciocínio das perguntas, o que a banca costuma avaliar de cada assunto. A formulação muda, mas o conteúdo é semelhante. Além disso, você ainda percebe as suas próprias dúvidas e as corrige.

11. Reprovou em 2? Em 3? Não desista! Tire uma semana de folga caso se sinta frustrado, Mas logo recomece os estudos, mesmo que num ritmo mais lento.

12. Tenha um objetivo A motivação pode ser qualquer uma, o importante é ter foco, e nem sempre precisa ser no contra-cheque e na estabilidade.

Fuja das “Furadas”

Esta é uma tarefa difícil. Conhecer a entidade organizadora é um começo. Se a instituição é séria, e reconhecida no meio, tem menor chance de acontecer qualquer irregularidade. Evitar concursos em que a própria instituição contratante organiza o certame e existe um número razoável de funcionários terceirizados. A possibilidade de fraude é grande, o concurso pode ser realizado apenas para legalização de pessoas contratadas sem concurso público.

Outra dica é procurar saber se o órgão público está realmente precisando de pessoal, se existem vagas ou apenas cadastro de reserva (os classificados só são chamados quando abrem vagas – elas ainda não existem – dentro da validade do concurso). Nos concursos realizados no segundo semestre, quando há transição de governos e não dá mais para chamar ainda no mesmo exercício, são mais suscetíveis de prescrição. Por isso, fique atento se há eleição no ano que você está prestando.

Vale lembrar que os concursos têm validade de até dois anos, prorrogáveis por igual período, e não pode haver outro concurso durante esse período para os mesmos cargos, nem a contratação de terceirizados.

Entre os muitos Concursos existentes no Brasil, os mais procurados são: Banco do Brasil, Petrobrás, Correios, INSS, Polícia Civil ou Militar, Receita Federal, IBGE e Concursos dos Tribunais. É sempre bom ficar atento às datas e especificações de cada edital. Aqui está uma lista de concursos 2012/1. Embarque nessa: prepare-se e faça uma boa prova!

Fontes: How stufs Work, efetividade

Anúncios

Um pensamento sobre “Quarta Universitária – Concursos

  1. Pingback: O que você deve saber sobre concursos para engenheiros | PET Engenharia Civil - UFJF

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s