Assista ao ensaio em túnel de vento do Museu do Amanhã

Você viu no artigo Obras e Projetos para Copa e Olimpíadas Parte 1 e Parte 2 as melhorias que o Rio está recebendo para os grandes eventos dos próximos anos. Além de obras de reforma, está sendo construído o Museu do Amanhã no armazém 2 do Cais do Porto. O prédio de formas audaciosas e alongadas – em concreto, aço e vidro – ocupará o Píer da Praça Mauá, a partir de 2012. A instituição está inserida no projeto Porto Maravilha, que tem como objetivo a revitalização de toda a Zona Portuária. Um dos motes do Museu do Amanhã, dedicado à ciência e à tecnologia, é fazer com que as pessoas pensem no futuro de forma mais consciente.

E para o leitor desavisado, temos posts também sobre a Ação do Vento em Edificações. Confira: Parte 1 e Parte 2. No post aual, o principal objetivo do teste era detectar as ações do vento, especialmente nas estruturas móveis do museu.

Veja o vídeo:

De acordo com o projetista estrutural Flávio D”Alambert, da Projeto Alpha, o teste é necessário por conta da concepção arrojada do projeto. “Além disso, o edifício tem aletas móveis, que se mexem de acordo com o sol para captar energia solar. Precisamos saber quais as interferências do vento nessas aletas”, disse D”Alambert.

Um modelo do museu, em escala 1:200, com aproximadamente 1,70 m x 12 cm, foi utilizado para os testes. De acordo com a Fundação Roberto Marinho, que está realizando o projeto, a maquete foi construída em 60 dias.  O IPT ainda deve realizar mais testes até obter a conclusão final, prevista para a primeira semana de julho.

Segundo a Fundação Roberto Marinho, a obra deve ser concluída até o fim de 2012.

Projeto

Inspirado em elementos da Floresta Atlântica, o projeto prevê a construção de um edifício de 12,5 mil m² com coletores solares móveis na fachada. O investimento é estimado em R$ 130 milhões.

O Museu do Amanhã terá dois níveis conectados por rampas. No térreo, ficarão a loja, auditório, restaurante, salas de exposições temporárias e salas de pesquisa e ações educativas, além das áreas administrativas do museu. Já o pavimento superior contará com salas das exposições permanentes, um belvedere para contemplação da vista e um café.

O grande destaque do projeto, no entanto, é a parte externa. Na fachada, o prédio terá grandes estruturas dinâmicas, que se movimentam e servem não só para oferecer sombra, mas também para a colocação de placas fotovoltaicas. Dependendo da hora do dia, o edifício pode ter sua aparência exterior alterada, já que os coletores se ajustarão para melhorar a captação de energia solar.

Calatrava também criou um espelho d”água ao redor do prédio, que servirá não só para mimetizar o museu com as águas da Baía de Guanabara, como também para mostrar como funciona um sistema de filtragem da água do mar. Além disso, a água vai gerar um microclima mais ameno em volta do Museu. O projeto aproveita ao máximo a ventilação natural e a ventilação cruzada.

Fonte: www.piniweb.com.br

Via Construção Civil PET

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s