Inovação em Concreto

Na engenharia, há sempre uma busca por soluções e inovações que possam otimizar as técnicas utilizadas. Isto pode ser observado no concreto, que tem ganhado nova fórmula para adquirir características específicas. As principais inovações no concreto são os aglomerantes, que trabalham em conjunto com o cimento ou, então, o próprio cimento modificado, com melhorias. Outras soluções, ainda, substituem o cimento por outros produtos para formar o concreto. Também participam dessas inovações alguns aditivos especiais, colocados na formulação da mistura. Em termos práticos, a inovação no concreto busca três principais resultados: maior durabilidade, maior resistência e, principalmente, melhor trabalhabilidade.

Conheça agora os concretos mais inovadores do mundo e como isso vai mudar os projetos estruturais com esse material.

Concreto Translúcido

Conhecido como Litracon (Light-Transmitting Concrete) é um concreto transmissor de luz, sua característica translúcida é resultado da mistura de 4% de fibras óticas com 96% de concreto tradicional.A luz pode ser transmitida de um lado a outro de uma parede, sem distorção das cores. A invenção não compromete as características do concreto, nem a sua resistência, possibilitando seu uso em diversas aplicações. É fornecido em blocos pré-fabricados de até 50 MPa com colorações branca, cinza ou preta. As peças podem ter até 1,2 m x 0,4 m, com espessuras de 2,5 cm a 5 cm.

 

 

 

Concreto de Ultra-Alto-Desempenho

A busca constante pela obtenção de concretos mais resistentes resultou no desenvolvimento do Concreto de Ultra-Alto-Desempenho (CUAD), cujo Concreto de Pós Reativos (CPR), é o representante mais estudado e utilizado. Basicamente, a composição deste concreto consiste na mistura de cimento Portland, sílica ativa, pó-de-quartzo, agregado miúdo, microfibras de aço – mais usuais, aditivo super plastificante e água. O concreto foi nomeado de “pós reativos” pois é a combinação de vários materiais finos (A palavra ‘pós’ refere-se ao plural de ‘pó’). Neste caso, não há relação alguma com reação tardia ou atrasada.

O concreto de alto desempenho pode atingir resistência aproximada de 120 MPa e o concreto de pós reativos geralmente possui resistência à compressão acima de 200 MPa. Fisicamente, o que ocorre é a distribuição granulométrica de forma que o maior grão esteja envolto por partículas menores, que distribuem as tensões. Ou seja, todos os vazios são preenchidos adequadamente.

A utilização do CPR permite executar peças esbeltas, leves, com baixo custo de manutenção e maior vida útil, se comparadas ao concreto preparado com materiais convencionais. Este tipo de tecnologia tem sido utilizado na construção de estruturas leves, tabuleiros para pontes, vigas, colunas, pré-fabricados de túneis ou placas de revestimento de fachada e passarelas. Um belo exemplo é a passarela Seonyu, construída na Coréia no ano de 2002. O arco central possui 120 metros de vão, 4,3 metros de largura e 1,30 metros de espessura. Sobre a passarela, há uma placa de concreto de apenas 3 centímetros de espessura.

 

TX Active: O concreto autolimpante

Também chamada de antipoluição o cimento é branco, fotocatalisador, à base se dióxido de titânio de estrutura nanocristalina. A reação fotocatalítica ativada pela luz do sol faz com que reagentes oxidantes presentes no concreto convertam óxidos de nitrogênio (NOx) em nitrato (NO3), elemento não nocivo ao ambiente. Com o clima ensolarado, o produto pode eliminar até 90% de óxidos de nitrogênio e benzeno, entre outros poluentes.Uma obra construída com concreto feito com TX Active, além do benefício ao meio ambiente, não fica enegrecida com a fuligem. A primeira construção a empregar concreto fotocatalisador foi a Igreja do Jubileu, em Roma, finalizada em 2003. O TX Arca, usado na construção, foi desenvolvido especialmente para atender às demandas do arquiteto Richard Meier, que projetou a igreja.

 

 

Função Estética

Ainda menos divulgado, há o concreto fotogravado. “Esse concreto pode ter uma fotografia gravada diretamente nele, por meio de relevos superficiais, em jogos de sombra. A gravação é feita com uma resina que é aplicada na superfície do concreto e, assim, é possível transferir uma foto para ele”, descreve Paulo Helene. Preferencialmente, é usado um cimento branco. Mas é possível usar cimento cinza também. A transferência da imagem à superfície do concreto é feita com a retardação na cura do concreto com a resina. Com isso, determinadas partes não endurecem e, depois de lavado, permanece uma superfície mais escura. Há, ainda, os concretos coloridos em que são adicionados pigmentos. São empregados principalmente em pisos externos, e eliminam a necessidade de revestimento para ganho estético.

 

Condutor

O concreto convencional é um isolante elétrico e térmico. Mas se ele for construído com determinadas fibras, pode se tornar um condutor elétrico e um condutor de temperatura: são os concretos condutores, ou condutivos. Isso permite que eles sejam usados como aquecedores. Obviamente, têm pouca utilidade no Brasil e em países de clima tropical. “Está demonstrado que uma forma de impedir a formação de neve nas estradas e pontes é o uso de sais de degelo. Esses sais, à base de cloreto de cálcio e cloreto de sódio, são muito agressivos às estruturas de concreto. Então, essa tecnologia permite fazer um aquecimento do concreto pela energia elétrica”, diz Paulo Helene. O produto foi desenvolvido pelo IRC (Institute for Research in Construction), no Canadá. A inovação está essencialmente na adição de fibras de carbono e partículas condutivas à mistura do concreto. Podem ser usadas fibras de vários comprimentos e diâmetros, o que faz com que elas reforcem o concreto além de torná-lo condutor térmico e elétrico.

Autorreparador

A evolução de calor na formulação do concreto maciço pode causar fissuração térmica. Há soluções em desenvolvimento, como um aditivo com microcápsulas contendo um produto que reage com um catalisador adicionado à mistura. “Essas cápsulas são fechadas e têm um agente. Quando o concreto começa a fissurar – tudo isso no nível microscópico -, ele destrói essa cápsula onde está o agente e, em contato com o catalisador que está na massa do concreto, o produto entra nas fissuras e as obturam”, detalha Battagin. Com isso, o concreto não fica mais fissurado, ele se autorregenera. Outra forma de autorreparo utiliza uma bactéria na pasta do concreto que sintetiza carbonato de cálcio e produz continuamente uma calcita densa e impermeável.

 

 

Gostou?Para saber mais acesse:

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/160/imprime179233.asp

http://www.revistapesquisa.fapesp.br/?art=5234&bd=2&pg=1

http://www.cimentoitambe.com.br/massa-cinzenta/concreto-de-alto-desempenho-ja-e-passado/

http://karlacunha.com.br/concreto-iluminado/

 

Anúncios
Postado em Sem categoria

4 pensamentos sobre “Inovação em Concreto

  1. Trabalho com pesquisa na área de nano tecnologia , e desenvolvi uma solução aquosa de nano tubo de carbono, a varias maneiras de desenvolver soluções aditivada para concreto ultra resistente, por…..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s